Hoje é dia do Estatístico!!!

quinta-feira, 29 de maio de 2008

A estatística me escolheu em 1994!!! Fiz vestibular para Engenharia Química e na segunda opção de curso marquei estatística, sabe como que é, sem muita concorrência!!! De fato um curso fácil de entrar, mas muito difícil de sair formado!!! Bem não passei em Engenharia, chorei horrores, até que em um belo dia de sol, coincidência ou não, era meu aniversário, MAKTUB, saiu a segunda chamada da UFPR e meu nome estava lá, só que para o curso de Estatística, eu fui e me apaixonei!!! A história toda você pode ler clicando aqui, pois hoje eu quero apenas dizer PARABÉNS a todos que escolheram esse curso e essa profissão que, realmente, exige mais do que conhecimento matemático e raciocínio lógico, exige AMOR, DEDICAÇÃO E OBSERVAÇÃO DO MUNDO DE FORMA NEUTRA E COMPLETA! Parabéns para mim e para todos os apaixonados e orgulhosos Estatísticos do Mundo!!!





Não somos donos da verdade! Mas toda verdade é uma (observação) estatística! (Tine Araujo)



* * * * * * *

Doris S M Fontes
Coord. Geral do CONRE-3

O QUE FAZ UM ESTATÍSTICO?

Essa é uma pergunta que muitos fazem mesmo hoje, mesmo depois de mais de 40 anos que a profissão foi regulamentada.

Quando dizemos para os estudantes do segundo grau (ensino médio) que a profissão de ESTATÍSTICO está em alta, a primeira pergunta que eles fazem é justamente essa: O que faz um estatístico?

Pensando em ajudar o jovem aluno do ensino médio a entender um pouco do que fazemos, o CONRE-3 montou um pequeno flyer que costumamos distribuir aos que procuram uma carreira para cursar na universidade.



POR QUE ESCOLHER O BACHARELADO EM ESTATÍSTICA?

Que tal ser um profissional super versátil, que possa trabalhar em qualquer área e se dar sempre muito bem?

E que tal trabalhar com equipes diferentes, poder interagir com vários profissionais e ainda exercer uma função importante?

E, melhor ainda, não ter muito concorrente?

Gostou, não é? Pois este profissional existe e pode ser um Estatístico!

O Estatístico é aquele que se forma Bacharel em Estatística. No Brasil há 29 universidades e/ou escolas que oferecem cursos de Bacharelado em Estatística.


Mas, para que serve a ESTATÍSTICA, afinal de contas?

Imagine um médico e um farmacêutico querendo saber se um remédio em desenvolvimento é bom ou ruim. Para testar o remédio, é preciso PLANEJAR muito bem o experimento, COLETAR corretamente os dados, ANALISAR com muito cuidado e DIVULGAR seus resultados de forma honesta e com confiança no que está dizendo. Imagine o perigo de uma pesquisa mal feita num assunto tão importante! Bom, para não colocar a vida de ninguém em risco, é preciso tomar muitos cuidados. Antes de mais nada, é preciso planejar cada etapa abaixo:

O remédio será testado em quem?
-- Homens? Mulheres? Idosos? Crianças? Obesos? Jovens? Quem?

Quantas pessoas serão necessárias para testar?
-- Basta testar em uma ou duas pessoas? Ou será melhor testar em 10 pessoas? 30? 500? 2.000? Como saber?
-- Há dinheiro para testar em tanta gente?

E se houver dois grupos de pessoas?
-- Para um grupo de voluntários dá-se o remédio a ser testado; para o outro grupo, dá-se um remédio “de mentirinha”, chamado placebo, mas não se conta a verdade para ninguém. Será que há diferença nos resultados de um grupo para outro?

-- Mas o remédio foi testado só com um grupo de pessoas, em geral voluntários, como é que depois pode-se afirmar que este remédio vai ser bom para todo mundo? É certeza absoluta?



O Estatístico é exatamente o profissional que auxiliará tanto o médico como o farmacêutico em cada uma destas etapas: desde o tipo de voluntário, quantidade e controle das pessoas que farão parte do experimento (amostragem), na coleta cuidadosa e minuciosa dos dados (campo), na organização destes dados no computador (banco de dados e tabulação), na hora de fazer todas as comparações interessantes, interpretar os resultados (testes estatísticos) e divulgá-los para todos os envolvidos (análises estatísticas). Como os testes são feitos somente num grupo de pessoas, existe uma pequena chance de haver um erro, não é mesmo? O Estatístico saberá dizer que tipo de erro poderá ocorrer e com que grau de certeza o resultado será divulgado.

A Estatística é um conjunto de técnicas e métodos que vai ajudar o Estatístico em todas as etapas acima: na amostragem, na organização dos dados, na geração de tabelas e análises comparativas, na interpretação dos resultados, de forma que todas as afirmações possam ser feitas dentro de um limite de segurança estabelecido.

Mas a Estatística não é usada só para ver se o remédio é bom ou não. Se você pensar bem, muita coisa do nosso dia-a-dia acontece em conseqüência de estudos que levam em conta análises estatísticas. Vejam alguns exemplos:

• Você abre o jornal e lê a manchete: “Cruzamentos: perigo à vista”. A matéria mostra um gráfico sobre criminalidade na cidade e traz evidências de que num certo cruzamento houve muito mais assaltos do que noutros. Quantas pessoas evitarão este cruzamento ou passaraõ a ter atenção redobrada nestes locais?

• Um estudo científico mostra que mulheres fumantes têm probabilidade maior de desenvolver câncer do pulmão do que homens fumantes. Quantas mulheres não pararam de fumar diante desta notícia?

• A CET faz um estudo sobre o trânsito na cidade de São Paulo e decide se o rodízio será necessário ou não com base nas estatísticas sobre a quantidade e tipos de veículos diariamente nas ruas, locais mais congestionados, horários de pico, etc.

• A prefeitura da cidade reformula o sistema de transporte público com base nos relatórios estatísticos contendo informações detalhadas sobre fluxo de passageiros, linhas mais requisitadas, tempo de ociosidade, demanda vs. oferta, etc.

• O governo divulga dados estatísticos que influenciam todos os índices financeiros que usamos no dia-a-dia: comércio, indústria, transporte, clientes, etc... que vão influenciar nas contas que vamos pagar (prestações, crediário, luz, água, telefone, gás, etc.)

2 Observações:

Sérgio disse...

Viva 29 de Maio.

Tine, minha colega guerreira, blogueira, estatística, apaixonada pela vida e por suas profissões. Parabéns pela "blogada" sobre o dia do Estatístico.

A estatística me escolheu em 1986, quando na época credenciamos o laboratório na ISO-guia 25 (atual ISO 17025).
Fomos obrigados a aprender e usar ferramentas estatísticas aplicadas em nossos processos analíticos.

A UFPR me acolheu em 2001, e juntos Tine completamos nosso Bacharelado no ano que passou.

Hoje é o Dia do Estatístico e apesar do mercado ainda desconhecer todas as contribuições que podemos dar a sociedade, estamos ocupando nossos espaços com garra e persistência.

Parabéns a todos os Estatísticos.

Anônimo disse...

a profissão de estatístico é muito interessante !