Quando o amor acaba....

quinta-feira, 27 de março de 2008

Situação financeira 'impede divórcio para 59% das britânicas'
18 de janeiro, 2008 - 10h37 GMT (08h37 Brasília)

Uma pesquisa realizada com casais na Grã-Bretanha e divulgada na quarta-feira indica que 59% das mulheres casadas se divorciariam de seus maridos imediatamente se tivessem garantia de segurança econômica.

A sondagem, que entrevistou 2 mil homens e mulheres casados, aponta ainda que mais da metade afirmou que sentiria falta da segurança financeira proporcionada pelo cônjuge caso se divorciasse.

Entre os entrevistados, 42% têm receio de ter que abrir mão da casa no divórcio. Além disso, cerca de um terço tem medo de sair "sem nada" da separação.

Os dados são resultado de uma pesquisa encomendada pela firma de advocacia britânica Seddons, depois de uma onda de divórcios na Grã-Bretanha no início deste ano.

Amor

O levantamento aponta que 12% dos entrevistados permaneceriam em uma relação infeliz apenas para ter uma vida mais tranqüila.

No entanto, poucos não se divorciam porque amam os parceiros. Mais de um em cada dez entrevistados gostaria de ter casado com outra pessoa e mais da metade dos maridos afirma que seu casamento é "sem amor".

Do total de entrevistados, 56% não estão totalmente felizes com o casamento e mais da metade afirmou que já pensou no divórcio.

A pesquisa indica ainda que 12% disseram estar em uma relação sem amor e 35% afirmam que seus casamentos se tornarão banais em um futuro próximo.

No entanto, 30% dos entrevistados disseram que permanecem em um casamento falido porque não querem passar pela reviravolta do divórcio.

Filhos

A preocupação com as crianças e a unidade familiar também pesa na hora de optar pelo divórcio, sugere a pesquisa.

Entre os entrevistados, 30% dos homens casados afirmaram que têm medo de ter que deixar os filhos na separação e 37% do total afirmaram que permanecem com o cônjuge por causa dos filhos.

Mais da metade ficaria com os parceiros para garantir a unidade familiar.

Um porta-voz da ONG Relate, que trabalha no aconselhamento de casais, afirmou que é fácil para os casais permanecerem acomodados na rotina da relação.

"As relações mudam com o tempo, inevitavelmente", disse. "Os casais que reconhecem e conversam sobre seus problemas têm mais chances de sobreviver."

Na pesquisa, 50% disseram que considerariam buscar a ajuda de um conselheiro para tentar salvar o relacionamento antes do divórcio. No entanto, um em cada cinco disse que o esforço não valeria a pena.

"O divórcio causa um impacto em todas as áreas da vida de uma pessoa", disse o porta-voz. "Dividir a casa, os animais de estimação e todas as propriedades é apenas uma parte do processo."


* * * * * * *

Bom gente, o que posso dizer é que nunca casei, mas já acompanhei alguns divórcios de amigos e, realmente, as pessoas vão ao fundo do poço e o medo que fica nelas é tão grande que dificulta a aproximação de qualquer pessoa no futuro!!! Marcas profundas... é isso que deixa o divórcio de lembrança!!! E, esse é um problema tão sério que já existem serviços especializados na internet para fazer, inclusive, o pedido de separação para você!!! Não acredita!!! Então veja o vídeo!!!



1 Observações:

[>Dallai<] disse...

Gato escaldado tem medo de água fria...
Antes só que mal acompanhado...
São coisas aplicáveis...
Maaaaaaaas, contudo, todavia, porém, entretanto... Vejo que os relacionamentos estão cada dia mais parecidos com parcerias e que o amor já caminha para a "volatilidade", ou, em outra linguagem, prazo de validade...
Solução? Amor longa vida... (Se é que ele ainda existe...)