Campanha pela Valorização da Mulher (02)

terça-feira, 4 de março de 2008

Apenas 23% dos britânicos 'dividem tarefas domésticas'
23 de janeiro, 2008 - 10h21 GMT (08h21 Brasília)

Uma pesquisa sobre o comportamento dos britânicos publicada nesta quarta-feira, indica que apenas 23% dos casais dividem as tarefas domésticas na Grã-Bretanha.

Apesar disso, a sondagem, que entrevistou 3 mil pessoas, aponta que mais de 90% dos homens rejeita a idéia de que as mulheres devem ser responsáveis apenas pelo trabalho de casa, mas 54% confirmaram que as esposas são as responsáveis pelas tarefas domésticas em suas casas.

Entre os entrevistados, apenas 17% acreditam que ganhar dinheiro é tarefa masculina - uma diminuição de 15 pontos percentuais em comparação com 1984.

O relatório British Social Attitudes 2007 (BSA, na sigla em inglês), conduzido pelo instituto de pesquisas britânico NatCen serve de base para a criação de políticas governamentais na Grã-Bretanha.



Casamento

O estudo sugere ainda que as atitudes sobre o sexo estão mais liberais, mas o casamento continua sendo visto como uma instituição importante entre os britânicos.

Os dados indicam que 70% dos adultos acreditam que o sexo antes do casamento não é um problema, um aumento de 22 pontos percentuais em comparação com 1984.

Mais da metade dos entrevistados afirmou que a coabitação demonstra o mesmo compromisso que o casamento. Além disso, 50% afirmou que casais que vivem juntos, independente da formalização, deveriam ter os mesmos direitos que aqueles com status legal.

"O casal heterossexual casado já não é mais a regra que prevalece", disse Simon Duncan, um dos autores do relatório.

"No entanto, as visões se tornam bem mais tradicionais quando há crianças envolvidas", afirmou.

Entre os entrevistados, cerca de 30% acredita que os casados são melhores pais que os casais separados. Além disso, menos de um terço dos participantes acredita que casais homossexuais educam as crianças tão bem quanto os casais héteros.

O relatório mostra também que a importância da unidade familiar é tão significativa que 30% dos participantes afirmou as leis do divórcio deveriam ser mais rigorosas no país.




* * * * * * *




Se os homens rejeitam a idéia de que as mulheres têm que fazer sozinha o serviço doméstico, por que eles não realizam mais por livre e espontânea vontade? Mulheres, se vocês acharam péssimos os números da Grã-Bretanha esperem para ver os números brasileiros (06/03). Depois do vídeo você poderá ver as principais dicas/serviços prestados pela Delegacia da Mulher.









Os principais casos atendidos na Delegacia de Defesa da Mulher:

Lesão Corporal: casos de espancamento, socos, bofetões, pontapés, e uso de objetos contundentes (facas, tesouras etc).

Estupro: relação sexual forçada por meio de violência ou ameaça (relações sexuais forçadas entre: marido e mulher; com deficiente mental; menores de 14 anos também são consideradas estupro).

Atentado violento ao pudor: contato íntimo forçado, sem relação sexual.

Rapto: condução a força ou sobre ameaça para algum local com a intenção de ter contato íntimo, sem completar uma relação sexual.

Ameaça: intimidação, através de palavras ou gestos, indicando a intenção de fazer algum mal.

Calúnia: falsa acusação

Difamação: ofensa contra a honra, na presença de outras pessoas.

Injúria: ofensa, sem a presença de testemunhas.

A delegacia também atua em casos de separação de casais, pensão alimentícia, partilha de bens e busca de filhos.


É importante saber que:

A delegada não pode arquivar o inquérito. Ou seja, ela não pode interromper a investigação que já foi iniciada através do Boletim de Ocorrência. Só o juiz pode mandar arquivar o inquérito policial.

O acusado tem sempre o direito de ser defendido por um advogado. O Estado tem a obrigação de fornecer um advogado aos acusados sem recursos.

Nos casos de violência sexual (estupro, sedução, atentado violento ao pudor, rapto), a delegada orientará a vítima a pedir a punição do agressor (queixa-crime). O prazo para fazer esse pedido é de 6 meses. Sem o pedido, o agressor não poderá ser punido pela lei.

Geralmente, as vítimas de violência sexual sentem-se envergonhadas ou com medo de denunciar o agressor. Para evitar constrangimento, a vítima tem o direito de pedir ao juiz para realizar as audiências do processo a portas fechadas, protegendo, assim, a sua intimidade.

Procure logo a Delegacia. Tudo o que você disser pode ser importante para denunciar a violência que você sofreu processar o seu agressor. Não deixe o tempo passar!!!




Participe!Participe!


Links dos idealizadores da Coletiva: Lys e Meiroca

2 Observações:

[>Dallai<] disse...

Tsc, tsc... Violência contra qualquer um é algo extremamente condenável. Crianças, idosos, mulheres... Nada justifica. Em especial no caso das mulheres, a falsa promesa de mudança dos parceiros ou a eterna esperança de que isso ocorra faz com que a maioria delas ainda se sujeite à brutalidade e estupidez de seus companheiros que, muitas vezes frustrados em suas vidas profissionais e pessoais, descontam covardemente naquela que se encontra numa posição de fragilidade.
Abominável...

Meire disse...

Obrigado por divulgar a nossa Coletiva, se possivel gostaria que colocasse os links dos idealizadores da Coletiva:

http://meiroca.com/ (Meiroca)
e

http://universodesconexo.wordpress.com/ (Lys)

Abraços

Meire