Você já pensou em estudar Estatística???

domingo, 27 de janeiro de 2008

Essas informações postadas aqui foram retiradas do fórum do CONRE-3. O intuito desde Blog, além de mostrar que a estatística está presente em nossas vidas o tempo todo, é reunir informações sobre a profissão, bem como servir de acervo para consultas de pesquisas já realizadas (referencial de trabalho).


Por que escolher o bacharelado em Estatística?

Que tal ser um profissional super versátil, que possa trabalhar em qualquer área e se dar sempre muito bem? E que tal trabalhar com equipes diferentes, poder interagir com vários profissionais e ainda exercer uma função importante? E, melhor ainda, não ter muito concorrente?

Gostou, não é? Pois este profissional existe e pode ser um Estatístico!

O Estatístico é aquele que se forma Bacharel em Estatística. No Brasil há 29 universidades e/ou escolas que oferecem cursos de Bacharelado em Estatística.


Mas, para que serve a Estatística, afinal de contas?

Imagine um médico e um farmacêutico querendo saber se um remédio em desenvolvimento é bom ou ruim. Para testar o remédio, é preciso PLANEJAR muito bem o experimento, COLETAR corretamente os dados, ANALISAR com muito cuidado e DIVULGAR seus resultados de forma honesta e com confiança no que está dizendo. Imagine o perigo de uma pesquisa mal feita num assunto tão importante! Bom, para não colocar a vida de ninguém em risco, é preciso tomar muitos cuidados. Antes de mais nada, é preciso planejar cada etapa abaixo:

O remédio será testado em quem?
-- Homens? Mulheres? Idosos? Crianças? Obesos? Jovens? Quem?

Quantas pessoas serão necessárias para testar?
-- Basta testar em uma ou duas pessoas? Ou será melhor testar em 10 pessoas? 30? 500? 2.000? Como saber?
-- Há dinheiro para testar em tanta gente?

E se houver dois grupos de pessoas?
-- Para um grupo de voluntários dá-se o remédio a ser testado; para o outro grupo, dá-se um remédio “de mentirinha”, chamado placebo, mas não se conta a verdade para ninguém. Será que há diferença nos resultados de um grupo para outro?

-- Mas o remédio foi testado só com um grupo de pessoas, em geral voluntários, como é que depois pode-se afirmar que este remédio vai ser bom para todo mundo? É certeza absoluta?

O Estatístico é exatamente o profissional que auxiliará tanto o médico como o farmacêutico em cada uma destas etapas: desde o tipo de voluntário, quantidade e controle das pessoas que farão parte do experimento (amostragem), na coleta cuidadosa e minuciosa dos dados (campo), na organização destes dados no computador (banco de dados e tabulação), na hora de fazer todas as comparações interessantes, interpretar os resultados (testes estatísticos) e divulgá-los para todos os envolvidos (análises estatísticas). Como os testes são feitos somente num grupo de pessoas, existe uma pequena chance de haver um erro, não é mesmo? O Estatístico saberá dizer que tipo de erro poderá ocorrer e com que grau de certeza o resultado será divulgado.

A Estatística é um conjunto de técnicas e métodos que vai ajudar o Estatístico em todas as etapas acima: na amostragem, na organização dos dados, na geração de tabelas e análises comparativas, na interpretação dos resultados, de forma que todas as afirmações possam ser feitas dentro de um limite de segurança estabelecido.

Mas a Estatística não é usada só para ver se o remédio é bom ou não. Se você pensar bem, muita coisa do nosso dia-a-dia acontece em conseqüência de estudos que levam em conta análises estatísticas. Vejam alguns exemplos:

· Você abre o jornal e lê a manchete: “Cruzamentos: perigo à vista”. A matéria mostra um gráfico sobre criminalidade na cidade e traz evidências de que num certo cruzamento houve muito mais assaltos do que noutros. Quantas pessoas evitarão este cruzamento ou passaraõ a ter atenção redobrada nestes locais?

· Um estudo científico mostra que mulheres fumantes têm probabilidade maior de desenvolver câncer do pulmão do que homens fumantes. Quantas mulheres não pararam de fumar diante desta notícia?

· A CET faz um estudo sobre o trânsito na cidade de São Paulo e decide se o rodízio será necessário ou não com base nas estatísticas sobre a quantidade e tipos de veículos diariamente nas ruas, locais mais congestionados, horários de pico, etc.

· A prefeitura da cidade reformula o sistema de transporte público com base nos relatórios estatísticos contendo informações detalhadas sobre fluxo de passageiros, linhas mais requisitadas, tempo de ociosidade, demanda vs. oferta, etc.

· O governo divulga dados estatísticos que influenciam todos os índices financeiros que usamos no dia-a-dia: comércio, indústria, transporte, clientes, etc... que vão influenciar nas contas que vamos pagar (prestações, crediário, luz, água, telefone, gás, etc.)




UNIVERSIDADES / FACULDADES DO BRASIL COM CURSOS DE ESTATÍSTICA
Fonte: MEC-INEP / 2006

TOTAL DE VAGAS AUTORIZADAS: 1513

REGIÕES NORTE - 82 vagas
Universidade Federal do Pará - UFPA - Matutino/Vespertino: 42 vagas
Universidade Federal do Amazonas - UFAM - Matutino/Vespertino: 40 vagas

REGIÃO NORDESTE - 455 vagas
Escola Superior de Estatística da Bahia - ESEB - Noturno: 75 vagas
Universidade Federal da Bahia - UFBA - Matutino/Vespertino: 40 vagas
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE - Integral: 30 vagas
Universidade Católica de Pernambuco - UNICAP - Noturno: 50 vagas
Universidade Federal de Sergipe - UFS - Noturno: 30 vagas
Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - Matutino: 50 vagas
Universidade Federal do Ceará - UFC - Integral: 80 vagas
Universidade Federal da Paraíba - UFPB - Matutino: 20 vagas
Universidade Estadual da Paraíba - UEPB - Matutino: 40 vagas e Noturno: 40 vagas

REGIÃO CENTRO-OESTE - 10 vagas
Universidade de Brasília - UnB - Matutino/Vespertino: 10 vagas

REGIÃO SUDESTE - 780 vagas
Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ - Matutino,: 80 vagas e Noturno: 80 vagas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ - Matutino/Vespertino: 20 vagas
Universidade Federal Fluminense - UFF - Diurno (30 vagas/semestre): 60 vagas
Escola Nacional de Ciências Estatísticas - ENCE - Matutino: 60 vagas e Noturno: 60 vagas
Universidade Federal do Espírito Santo - UFES - Matutino: 40 vagas
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP - Matutino/Vespertino: 70 vagas
Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG - Matutino: 35 vagas
Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF - Matutino: 25 vagas
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Matutino/Vespertino: 30 vagas
Universidade Federal de São Carlos - UFSCAR - Integral: 30 vagas
Centro Universitário Capital - UNICAPITAL - Matutino: 50 vagas e Noturno: 50 vagas
Universidade de São Paulo - USP - Integral: 40 vagas
Universidade de São Paulo – USP – Matemática Computacional com especialização em Estatística - Noturno: 50 vagas

REGIÃO SUL - 186 vagas
Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS - Integral: 40 vagas
Instituto Superior Tupy – Campus Joinville - Noturno: 40 vagas
Universidade Estadual de Maringá - UEM - Noturno: 40 vagas
Universidade Federal do Paraná - UFPR - Noturno: 66 vagas

1 Observações:

Wallace disse...

Não obrigado, prefiro insistir na Engenharia Elétrica... :P