Ser Solteiro = Ser Feliz ... Será?

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Solteiras são mais felizes do que homens na Europa, diz estudo
Anelise Infante De Madri para a BBC Brasil 17 de janeiro, 2008 - 09h02 GMT (07h02 Brasília)


Uma nova pesquisa aponta que 35% das solteiras da Europa se sentem felizes nesta condição. Já os homens se sentem mal sem uma parceira: apenas 9% estão contentes solteiros, segundo o levantamento.

O 2º Estudo Europeu sobre Solteiros 2008, realizado pela agência de namoros Parship e pelo Instituto de Investigações de Mercado Innofact, pesquisou o perfil de homens e mulheres solteiros. Na Europa, há cerca de 160 milhões de solteiros.

Os pesquisadores ouviram 13 mil pessoas entre 18 e 59 anos em 13 países para descrever o perfil dos solteiros do velho continente.

A maioria confessou pouca experiência em namoros. Em média, duas relações sérias ao longo da vida. E nenhum relacionamento há pelo menos um ano.

No máximo, responderam 70%, um encontro pouco importante nos últimos 12 meses.

Exigências

Quanto às exigências, 94% das mulheres e 91% dos homens disseram que procuram pessoas com valores morais como honestidade, fidelidade e otimismo, nesta ordem.

Em outros aspectos, valorizam um parceiro que tenha uma carreira profissional, generosidade, simpatia e boa aparência.

A pesquisa acaba com outro mito feminino famoso por uma música. Dos carecas, elas já não gostam mais.

A maioria, 89%, rejeita os homens sem cabelos. E 74% se incomodariam com o fato do parceiro ter um aspecto descuidado, principalmente os cabelos. Resposta que coincide com a opinião dos homens (76%), que também preferem as mais vaidosas.

Casamento

O casamento deixou de ser o principal objetivo para os solteiros. Os europeus querem namoros sérios, mas sem oficializar o compromisso. Apenas 33% pensam em casar.

A desilusão com o compromisso começa com a dificuldade para arranjar o "namoro perfeito".

Muitos (35%) admitiram ter passado por más experiências quando se apaixonaram, 30% avaliam que perdem a independência estando em um casal e 12% alegam nem ter tempo para paquerar.

Há ainda os que confessam continuar solteiros porque são exageradamente ciumentos e não agüentam viver sem controlar a vida do parceiro.

Outros também responderam que são tímidos demais para sair à procura de namoro. Por isso, a internet virou um acesso à paquera: 59% pretendem encontrar a alma gêmea online, embora apenas 40% admitam já ter feito alguma tentativa na rede.

Barreiras

O estudo cita ainda algumas das barreiras que impedem os europeus de encontrar seus pares perfeitos.

Uma é o aumento de ideologias conservadoras: três de cada quatro preferem que a outra pessoa seja de sua mesma nacionalidade, e 79% não aceitariam alguém de outra religião.

Filhos de relacionamentos anteriores também são vistos como problemas para 73% dos solteiros europeus.

O estudo define os solteiros em dez grupos básicos de acordo com suas características:

* os exigentes: pedem demais e cedem pouco;
* os convencidos: acham que a vida a dois e a liberdade são incompatíveis;
* os auto-suficientes: optam pela solidão;
* os rebeldes: têm pânico de normas e rotinas;
* os falsos resignados: modernos na aparência, mas, no fundo, solitários;
* os itinerantes: descartam o amor para a vida inteira e preferem relações fugazes;
* os egoístas: vivem para si e não querem se ocupar de ninguém mais;
* os ressentidos: passaram por decepções;
* os sofredores: vivem reclamando da solidão como se fosse uma doença
* os temerosos: preocupam-se demais com o peso de criar e manter uma família.

Segundo o departamento de estatística da União Européia, o Eurostat, em 2002 (último censo), os 25 países da União Européia reuniam 158 milhões de solteiros.




A grande verdade é que a cada dia que passa estamos menos dispostos a mudar nossas atitudes. Ficamos inflexíveis. Ao meu ver, o mundo está se tornando cada vez mais individualista evitando dissabores, desilusões e sofrimentos pelo simples medo de arriscar. Willian Shakespeare, talvez, tenha resumido bem a escolha pela individualidade, principalmente, ao dizer: “Não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o concerte”.

2 Observações:

[>Dallai<] disse...

Realmente...Com o fim das amélias e dos homens das cavernas, o casamento é uma instiruição que está se moldando aos dias atuais, não mais único e vitalício...Mas como a convivência pacífica e a prática do "meu bem, meus bens".
A independência e a guerra de egos têm levado os relacionamentos cada vez menos ao altar (ou ao cartório).
Admirável mundo novo...

pedrotxp disse...

Algumas coisas dessa pesquisa eu já comprovei pessoalmente, vivo atualmente na españa, e posso dizer que a solidão que as pessoas passam aqui é bem difícil, se para os jovens como eu é um pouco, imagino para os mais velhos que não tem o quesito beleza física tão em alta... Europa também não é um lugar de tantas pessoas cultas como imaginamos, na grande maioria são fúteis e preconceituosas.