A Amazônia será forte até quando?

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Amazônia 'resiste melhor à mudança do clima do que se pensa'
21 de setembro, 2007 - 13h08 GMT (10h08 Brasília)

Um estudo publicado nesta sexta-feira pela revista Science sugere que a Amazônia pode ser mais resistente à mudança climática do que se pensava.
A pesquisa observou que a folhagem das plantas se tornou "mais verde" mesmo sob uma seca histórica, que fez os rios amazônicos atingirem seu menor nível em décadas.

A equipe da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade do Arizona observou imagens feitas por satélite entre julho e setembro de 2005, analisando a quantidade de clorofila utilizada pelas plantas durante o seu processo de fotossíntese.

"Essas descobertas sugerem que a floresta amazônica, embora ameaçada pelo desmatamento causado pelo homem, incêndios, e possivelmente por secas mais severas e longas, pode ser mais resistente às mudanças climáticas que modelos de ecossistema assumem", eles escreveram.

Pesquisas anteriores concluíram que mesmo estiagens curtas podem colaborar para o processo de transformação da Amazônia em savana – fenômeno agravado se o clima se tornar definitivamente mais quente e seco.

Longo prazo

Em entrevista à agência Fapesp, um dos autores do estudo, o professor Humberto da Rocha, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, ofereceu duas explicações para o verdejar das plantas, apesar da pouca disponibilidade de água.

Primeiro, o processo de fotossíntese (transformação de energia solar em energia química nas plantas) se beneficiou da maior disponibilidade da luz solar, ele afirmou.

Além disso, as árvores da floresta tropical podem ter se adaptado evolutivamente para captar água em reservatórios de mais de dez metros de profundidade.

Mas o professor observou que a pesquisa não alterou a reação da floresta a outros "estresses climáticos", como queimadas e desmatamento, e que novos estudos precisam ser conduzidos para examinar os efeitos da mudança climática por períodos mais longos.

"Nossa expectativa é que o fenômeno identificado não invalide as previsões feitas para a savanização da Amazônia caso o clima se torne sistematicamente mais seco e quente, como alguns modelos globais estão prevendo", afirmou ele.

"A seca da Amazônia em 2005 foi muito intensa, mas, por ter sido um evento transitório, não se enquadra exatamente nessas premissas (de longo prazo)."
De acordo com o pesquisador, as conclusões do novo estudo podem ter "impacto nas previsões climáticas dos próximos 10 ou 20 anos".
Eu só espero que daqui a 10 ou 20 anos ainda tenhamos a Amazônia para realizar qualquer tipo de estudo.

0 Observações: