Violência nas Escolas Públicas do DF

sexta-feira, 30 de novembro de 2007


A pesquisa foi realizada em 2001, mas gostei da forma de divulgação!!!

Charge 10

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

(fonte)

Eu também acho que a culpa é do homem!!!

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Para 8 em cada 10, mudança climática é causada pelo homem, diz pesquisa
25 de setembro, 2007 - 03h07 GMT (00h07 Brasília)

Cerca de oito em cada dez pessoas ao redor do mundo acreditam que a atividade humana está provocando mudanças climáticas, sugere uma pesquisa encomendada pelo Serviço Mundial da BBC.

A pesquisa, realizada pela empresa Globescan, entrevistou mais de 22 mil pessoas em 21 países.

Entre os entrevistados, 79% concordaram que "a atividade humana, incluindo indústrias e transportes, é uma causa significativa das mudanças climáticas".

Nove em cada dez participantes disseram que é necessário agir, e dois terços foram além, afirmando que "é necessário tomar medidas importantes e começar logo". No Brasil, 76% disseram ser necessário agir rapidamente.

Acordo global

Segundo a pesquisa, 73% das pessoas manifestaram apoio a um acordo global em que cada país limite suas emissões de gases que causam o efeito estufa e que incluiria os países em desenvolvimento.

Em troca, os países em desenvolvimento receberiam apoio financeiro e tecnológico das nações ricas.

No Brasil, 63% dos entrevistados disseram ser a favor de limitar as emissões nos países em desenvolvimento. Esse percentual foi de 68% entre os chineses e de 54% na Indonésia.

Somente em três dos países pesquisados (Egito, Nigéria e Itália) a maioria dos entrevistados disse que as nações em desenvolvimento não deveriam limitar suas emissões.

Encontro de líderes

Os resultados da pesquisa foram divulgados um dia depois de um encontro de líderes e delegados de 150 países, incluindo 80 chefes de Estado, realizado nesta segunda-feira, na sede da ONU em Nova York, para discutir como combater o aquecimento global.

Segundo o presidente da empresa de pesquisas Globescan, Doug Miller, o impacto das mudanças climáticas pode ser sentido pelas pessoas em seus países, em suas propriedades. "É real para pessoas ao redor do mundo", disse.

"A força dos resultados (da pesquisa) torna difícil imaginar um momento mais favorável da opinião pública para que os líderes se comprometam em agir (contra as mudanças climáticas)", afirmou Miller.

Em seu discurso no encontro desta segunda-feira, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que a forma como os governos lidam hoje com as mudanças climáticas definirá o legado que deixarão para as futuras gerações e que a ONU é o melhor fórum para discutir quais ações devem ser tomadas.

Avanço real

"Hoje, o tempo das dúvidas acabou. O painel intergovernamental da ONU sobre mudanças climáticas afirmou de forma inequívoca o aquecimento do nosso sistema climático e o associou diretamente a atividades humanas", disse o secretário-geral da ONU.

"Nosso objetivo não deve ser nada menos do que um real avanço em Bali", salientou, referindo-se ao encontro anual sobre o Tratado do Clima na ilha indonésia, que será realizado em dezembro.

O presidente americano, George W. Bush, não participou do evento desta segunda-feira.

Bush vai realizar seu próprio encontro sobre o tema nas próximas quinta e sexta-feira, quando receberá na Casa Branca representantes de 16 grandes emissores de gases poluentes associados ao aquecimento da Terra.


Se as pessoas já culpam o homem pelo que está acontecendo, por que elas não começam fazendo sua parte? ou elas acham que elas não fazem parte do grupo "homem"? Se 8 em 10 sabem que fazem mal ao Planeta está na hora das pessoas agirem em favor dele!!!



Jovens... até que ponto realmente eles se preocupam?

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Meio ambiente: 74% dos jovens brasileiros 'estão preocupados'
24 de setembro, 2007 - 19h01 GMT (16h01 Brasília)

Quase três em cada quatro jovens brasileiros (74%) disseram estar preocupados com a questão ambiental, em uma sondagem realizada pela rede MTV em 14 países.

O Brasil ficou em segundo lugar no ranking de preocupação com o meio ambiente, atrás apenas dos indonésios - 75% dos quais afirmaram estar preocupados com o tema.

A poluição ambiental ganhou mais destaque do que problemas como pobreza e conflitos políticos,
entre os cerca de 200 jovens de oito a 24 anos de idade entrevistados em cada um dos países.

Os mexicanos foram os terceiros da lista dos mais preocupados com o meio ambiente (71% se disseram preocupados com o tema), seguidos por indianos e chineses (65%, ambos).

"A pesquisa global mostra que o meio ambiente é uma preocupação de jovens internacionalmente", disse o diretor-gerente da MTV na Grã-Bretanha, David Lynn.

Mas ele lamentou que a preocupação dos jovens nos países mais industrializados – os mais poluidores – tenha sido menor que nos países emergentes.

Apenas 44% dos jovens britânicos se declararam preocupados com a poluição ambiental. Já os americanos foram os menos preocupados com o tema: 36% lhe deram importância.

"É incrível que as pessoas que vivem em países menos desenvolvidos que a Grã-Bretanha estejam tão à frente em termos de conscientização sobre o perigo em que nos encontramos se não ajudarmos a combater a mudança climática."

Negociações

O tema ganhará destaque nesta semana em reuniões de representantes internacionais que acontecerão nos Estados Unidos.

Nesta segunda-feira, representantes de 150 países discutiram as mudanças climáticas num evento na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, que precedeu a reunião anual da Assembléia-Geral.

Na quinta e na sexta-feira, o tema também estará na pauta do encontro entre o presidente americano, George W. Bush, e líderes das nações mais poluidoras do mundo.

Observadores dizem que o encontro é uma tentativa dos países industrializados de encontrar maneiras de reduzir suas emissões sem prejudicar sua própria economia.

O Protocolo de Kyoto, pelo qual nações mais ricas deveriam se comprometer a reduzir emissões até 2012, foi rejeitado pelo governo Bush, com o argumento de que sua aplicação seria nociva para economia americana.

Espera-se que um novo acordo seja definido até 2009, com folga para ratificá-lo nos diversos países a tempo de entrar em vigor quando a primeira fase do atual Protocolo de Kyoto expirar, em 2012.
Quer saber um pouco mais sobre o Protocolo de Kyoto? Então clica aqui!


A Amazônia será forte até quando?

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Amazônia 'resiste melhor à mudança do clima do que se pensa'
21 de setembro, 2007 - 13h08 GMT (10h08 Brasília)

Um estudo publicado nesta sexta-feira pela revista Science sugere que a Amazônia pode ser mais resistente à mudança climática do que se pensava.
A pesquisa observou que a folhagem das plantas se tornou "mais verde" mesmo sob uma seca histórica, que fez os rios amazônicos atingirem seu menor nível em décadas.

A equipe da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade do Arizona observou imagens feitas por satélite entre julho e setembro de 2005, analisando a quantidade de clorofila utilizada pelas plantas durante o seu processo de fotossíntese.

"Essas descobertas sugerem que a floresta amazônica, embora ameaçada pelo desmatamento causado pelo homem, incêndios, e possivelmente por secas mais severas e longas, pode ser mais resistente às mudanças climáticas que modelos de ecossistema assumem", eles escreveram.

Pesquisas anteriores concluíram que mesmo estiagens curtas podem colaborar para o processo de transformação da Amazônia em savana – fenômeno agravado se o clima se tornar definitivamente mais quente e seco.

Longo prazo

Em entrevista à agência Fapesp, um dos autores do estudo, o professor Humberto da Rocha, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, ofereceu duas explicações para o verdejar das plantas, apesar da pouca disponibilidade de água.

Primeiro, o processo de fotossíntese (transformação de energia solar em energia química nas plantas) se beneficiou da maior disponibilidade da luz solar, ele afirmou.

Além disso, as árvores da floresta tropical podem ter se adaptado evolutivamente para captar água em reservatórios de mais de dez metros de profundidade.

Mas o professor observou que a pesquisa não alterou a reação da floresta a outros "estresses climáticos", como queimadas e desmatamento, e que novos estudos precisam ser conduzidos para examinar os efeitos da mudança climática por períodos mais longos.

"Nossa expectativa é que o fenômeno identificado não invalide as previsões feitas para a savanização da Amazônia caso o clima se torne sistematicamente mais seco e quente, como alguns modelos globais estão prevendo", afirmou ele.

"A seca da Amazônia em 2005 foi muito intensa, mas, por ter sido um evento transitório, não se enquadra exatamente nessas premissas (de longo prazo)."
De acordo com o pesquisador, as conclusões do novo estudo podem ter "impacto nas previsões climáticas dos próximos 10 ou 20 anos".
Eu só espero que daqui a 10 ou 20 anos ainda tenhamos a Amazônia para realizar qualquer tipo de estudo.

Será o fim do homem bomba?

domingo, 25 de novembro de 2007

Diminui o apoio de muçulmanos a atentados suicidas, diz pesquisa
25 de julho, 2007 - 14h13 GMT (11h13 Brasília)


O apoio a ataques suicidas contra civis caiu drasticamente em todo o mundo muçulmano desde 2002, segundo uma grande pesquisa de um instituto americano.

A Pesquisa Global de Tendências e Opiniões do Centro de Pesquisas Pew, nos Estados Unidos, entrevistou 45 mil pessoas em 47 países.

Entre os palestinos consultados, 70% afirmaram que acreditam que este tipo de ataque é justificável em algumas ocasiões.

A pesquisa também apurou que existe otimismo em países pobres, que acreditam que a próxima geração terá uma vida melhor.

Os resultados sugerem ainda que as pessoas enxergam os Estados Unidos como o país mais simpático do mundo, mas, ao mesmo tempo, o país mais temido.

Tensão

Em Bangladesh, Líbano, Jordânia, Paquistão e Indonésia, a proporção de muçulmanos que apóiam ataques suicidas caiu pela metade, ou mais, desde 2002.

O Líbano foi o país que registrou maior queda de aprovação. Em 2002 a proporção de muçulmanos que aprovavam esse tipo de ataque era de 74%. Em 2007, o índice ficou em 34%.

Mas em áreas de conflito os resultados são diferentes - 70% dos palestinos afirmaram que ataques suicidas contra civis são justificáveis em algumas ocasiões. O centro de Pesquisa Pew não coletou opiniões entre os palestinos em 2002.

O apoio de muçulmanos a Osama Bin Laden também está caindo, de acordo com os resultados da pesquisa. Na Jordânia apenas 20% expressam alguma ou muita confiança em Bin Laden, uma queda de 56% do índice registrado há quatro anos.

Mas a pesquisa também descobriu uma grande preocupação entre muçulmanos: que a tensão entre sunitas e xiitas não estejam restritas ao Iraque e representem um problema crescente para o mundo muçulmano.

A pesquisa também sugere que à medida que os países e famílias ficam mais ricos, o otimismo aumenta, além do apoio aos governos.

Na América Latina, a pesquisa indicou que, apesar do sucesso eleitoral de uma nova geração de líderes de esquerda, a maioria dos que responderam aos questionários acredita que as pessoas vivem melhor em uma economia de mercado.

Mas de 20 se passaram desde que aprendi a ler... e até hoje não entendi por quê as pessoas se matam desse jeito... espero que as novas gerações tenham mais sorte mesmo!


Miséria chama Miséria...

sábado, 24 de novembro de 2007

Em dez anos, 27% saíram da pobreza no Brasil, diz Pnud
17 de julho, 2007 - 17h00 GMT (14h00 Brasília)

Um relatório divulgado pelo Centro Internacional de Pobreza, instituição de pesquisa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), afirma que 27% dos pobres das áreas urbanas do Brasil conseguiram sair da situação de pobreza em dez anos.
Os 73% restantes teriam ficado estagnados "em uma situação de pobreza crônica", afirma o estudo intitulado Distinguindo a pobreza crônica da transitória no Brasil.

A pesquisa utilizou dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) de 1993 a 2003 e dividiu a população urbana adulta em 180 grupos, de acordo com o ano de nascimento, sexo, cor, escolaridade e região de domicílio.

"A pobreza se tornou um fenômeno essencialmente urbano e metropolitano, em parte devido ao êxodo rural. No fim da década de 90, 78% dos pobres do Brasil estavam em áreas urbanas", diz o relatório, assinado pelos pesquisadores Rafael Perez Ribas, do Centro Internacional de Pobreza, e Ana Flávia Machado, do Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Pobreza crônica e transitória

O estudo estabelece as diferenças entre pobreza transitória e crônica. Para os autores, a pobreza transitória caracteriza-se essencialmente por um "problema de renda temporário", quando, por exemplo, há desemprego na família. Nesse caso, a condição de pobreza pode ser revertida em um curto período de tempo.

Já a pobreza crônica pode ser definida "por uma situação de desemprego mais duradoura, que ultrapassa dois anos".

Os pesquisadores, no entanto, afirmam que a situação de pobreza crônica no Brasil se dá pela "dependência", acima de tudo.

"Durante este período (1993-2003), constatamos que 73% da pobreza no Brasil era crônica. Esta grande proporção se deve, principalmente, a um estado de dependência, ou seja, pessoas pobres, que continuam pobres porque têm um passado pobre independentemente de suas características pessoais."

Os autores observam que entre os mais propensos à pobreza crônica estão "os não-brancos, menos escolarizados, residentes da região Nordeste e trabalhadores informais".

Por sua vez, a pobreza transitória atinge mais as mulheres que chefiam domicílios e os lares chefiados por desempregados.

De forma geral, conclui o relatório, tanto a pobreza transitória e como a crônica estão ligadas ao nível de escolaridade.

"A pobreza transitória é observada entre os indivíduos com muito pouco ou nenhum nível de escolaridade. Isso se explica porque esses grupos estão mais suscetíveis às crises do mercado de trabalho do que as que estudaram mais tempo", diz o estudo.

Para reverter a situação, os autores sugerem "aliar políticas de formação de capital humano e acesso a serviços públicos combinados com programas destinados a reduzir desigualdades na distribuição de renda das famílias".

Bom pelo jeito miséria chama miséria mesmo... infelizmente o governo vive disso... e duvido muito que façam grandes coisas para resolver esse problema.


A culpa não é do Sol !!!

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Aquecimento global não é provocado pelo Sol, diz estudo
11 de julho, 2007 - 07h52 GMT (04h52 Brasília) - Richard Black


Um novo estudo científico concluiu que mudanças na atividade do Sol não podem estar causando mudanças climáticas no mundo moderno.

Ele mostra que nos últimos 20 anos a atividade do Sol diminuiu, embora temperaturas na Terra tenham aumentado.

O estudo mostra ainda que as temperaturas modernas não são determinadas pelo efeito do sol em raios cósmicos (um tipo de radiação emitida por estrelas e galáxias), como foi alegado.

Por esta teoria, os raios cósmicos ajudam a formação das nuvens ao fornecer pequenas partículas em torno das quais o vapor d'água pode se condensar.
De maneira geral, nuvens resfriam a Terra.

Durante certos períodos de atividade solar, raios cósmicos são bloqueados parcialmente pela maior intensidade do campo magnético do Sol. A formação de nuvens diminui e a Terra se aquece.

Em artigo na revista científica da Sociedade Real Proceedings A, os pesquisadores dizem que raios cósmicos podem ter afetado o clima no passado, mas não no presente.

"Isto deve resolver o debate", disse Mike Lockwood, do Laboratório Rutherford-Appleton, na Grã-Bretanha, que realizou o novo estudo juntamente com Claus Froehlich, do World Radiation Center, na Suíça.

Lockwood iniciou o estudo em parte como resposta ao documentário exibido na televisão britânica em meados do ano The Great Global Warming Swindle (A Grande Enganação do Aquecimento Global), que apresentou a hipótese dos raios cósmicos.

"Todos os gráficos que eles mostraram paravam por volta de 1980, e eu sei por que - é porque as coisas mudaram depois daquilo", disse Lockwood.

"Não se pode ignorar dados de que não se gosta", afirmou.

Tendência

A principal abordagem dos cientistas nesta nova análise é simples: observar a atividade do sol e a intensidade dos raios cósmicos nos últimos 30 ou 40 anos, e comparar estas tendências com o gráfico para média global das temperaturas da superfície, que aumentou cerca de 0,4ºC nesse período.

O Sol varia em um ciclo de cerca de 11 anos entre períodos de atividade intensa e baixa.

Mas este ciclo ocorre junto com outras tendências de longo-prazo e a maior parte do século 20 viu um aumento leve, mas persistente, da atividade solar.

Mas por volta de 1985, esta tendência parece ter se revertido, com a atividade solar diminuindo.

Apesar disso, neste período temperaturas subiram tão depressa, ou talvez até mais depressa, do que qualquer época nos cem anos anteriores.

"Este estudo reforça o fato de que o aquecimento nos últimos 20 ou 40 anos não pode ter sido causado por atividade solar", disse Piers Forster, da Universidade de Leeds, na Grã-Bretanha, um dos principais cientistas que contribuíram para a avaliação científica do clima feita pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, em inglês).

O relatório do IPCC apresentado em fevereiro concluiu que gases do efeito estufa eram cerca de 13 vezes mais responsáveis do que as mudanças no Sol pelo aumento das temperaturas na Terra.

Mas a organização foi criticada em algumas áreas por não levar em conta a hipótese dos raios cósmicos, desenvolvida por, entre outros, Henrik Svensmark e Eigil Friis-Christensen, do Centro Espacial Nacional da Dinamarca.

A análise de Mike Lockwood parece ter colocado um grande fim nesta hipótese intrigante.

"Eu acho que há um efeito dos raios cósmicos sobre a cobertura oferecida por nuvens. Funciona no ar marítimo limpo, onde não há muito mais onde o vapor d'água pode se condensar", afirmou.

"Pode até ter tido um efeito significativo no clima pré-industrial. Mas não se pode aplicar isto ao que estamos vendo agora, porque estamos em uma situação completamente diferente."

Svensmark e Friis-Christensen não foram encontrados para comentar o caso.

O Planeta pede socorrro!!! Simplesmente é isso que concluo!!!



Charge 09

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

(fonte)

Charge 08

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

(fonte)

Charge 07

terça-feira, 20 de novembro de 2007

(fonte)

Charge 06

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

(fonte)

Charge 05

domingo, 18 de novembro de 2007


Charge 04

sábado, 17 de novembro de 2007

(fonte)

Charge 03

sexta-feira, 16 de novembro de 2007


Charge 02

quinta-feira, 15 de novembro de 2007


Charge 01

quarta-feira, 14 de novembro de 2007


10 das razões para se tornar um Estatístico

terça-feira, 13 de novembro de 2007

I. A variação (desvio) é considerada normal.

II. Nós nos sentimos completos e suficientes.

III. Nós somos amantes "médios".

IV. Os estatísticos fazem discretamente e continuamente.

V. Nós estamos certos 95% do tempo.

VI. Nós podemos, legalmente, comentar a distribuição de alguém.

VII. Nós podemos não ser normais, mas somos transformáveis.

VIII. Nós não precisamos dizer que temos a certeza.

IX. Nós somos honestamente e significativamente diferentes.

X. Ninguém quer os nossos empregos.

(Gary C. Ramseyer's first Internet Gallery os Statistics Jokes)
(fonte)

Os 10 Mandamentos da Inferência Estatística

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

1. Não caçarás a Inferência Estatística com uma caçadeira.

2. Não entrarás no vale dos métodos da Inferência Estatística sem um desenho experimental.

3. Não farás uma Inferência Estatística na ausência de um modelo.

4. Honrarás as leis do modelo.

5. Não adulterarás o modelo para obter resultados significantes.

6. Não copiarás os resultados dos colegas.

7. Não levantarás falsos testemunhos contra o grupo de trabalho.

8. Não trabalharás no nível de significância 0.05.

9. Não aplicarás aproximações vastas em vão.

10. Não interferirás nos relacionamentos entre resultados estatísticos.

"Science Jokes"
(fonte)

O Estatístico fala...

domingo, 11 de novembro de 2007

O Estatístico fala...

... continuamente mas discretamente.
... quando conta.
... com 95% de confiança.
... com uma grande quantidade de números.
... com apenas 5% de hipótese de ser rejeitado.
... com testes adequados.

Apesar de tudo, é perfeitamente normal.
O estatístico provavelmente fala...

"Science Jokes"
(fonte)

Gostei dessa!!!

O Físico, o Químico e o Estatístico

sábado, 10 de novembro de 2007

Numa escola, três professores (de física, de química e de estatística) foram chamados para verem o reitor. Assim que chegam ao gabinete do reitor, este vê-se obrigado a ausentar-se por alguns momentos, deixando aí os três professores. Estes reparam com certa surpresa que há fogo no caixote do lixo.

O físico diz: "Eu sei o que fazer! É necessário arrefecer os materiais até as suas temperaturas ficarem mais baixas e então o fogo desaparecerá."

O químico diz: "Não! Não! Eu sei o que fazer! Precisamos de retirar o abastecimento de oxigênio e como tal o fogo apagar se - á por falta de um dos reagentes."

Enquanto o físico e o químico debatiam que rumo escolher, ficaram ambos alarmados ao verem o estatístico a correr, dentro da sala, de um lado para o outro ateando novos fogos. Os dois gritaram: "O que estás a fazer?" Ao qual o estatístico respondeu: "Estou a tentar encontrar um modelo adequado."


(fonte)

O Biólogo, o Informático, o Matemático e o Estatístico

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Um biólogo, um estatístico, um matemático e um informático estão num safari em África. Eles circulam de jeep no interior da Savana...param...e observam o horizonte com os seus binóculos.

O biólogo: "Olhem! Ali está uma manada de zebras! No meio está uma zebra branca! É fantástico! Existem zebras brancas! Seremos famosos!"

O matemático: "Na realidade, nós sabemos que existe uma zebra que é branca num dos lados."

O informático: "Oh não! Um caso especial!"

O estatístico: "Não é significante. Nós apenas sabemos que existe uma zebra branca".


(fonte)

O exame final

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Um estatístico andava completamente estafado até que por fim chegou o dia do exame final. Era um teste de verdadeiro/falso e como tal ele decidiu atirar uma moeda ao ar para responder às respostas.

O professor que estava a vigiar o exame observou o aluno durante as duas horas de duração do exame: atirava a moeda....escrevia a resposta...atirava a moeda...escrevia a resposta. Ao fim das duas horas, todos os alunos tinham deixado a sala exceto o tal estudante. O professor dirige-se até à mesa dele e interpela-o dizendo: "Ouça, já reparei que não estudou para o exame de Estatística. Se está apenas a atirar a moeda para responder então porque está a demorar tanto tempo?" O aluno replicou (enquanto continuava atirar a moeda), "Shhh! Estou a confirmar as minhas respostas!"

(fonte)

O balão de ar quente

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Três homens estão num balão de ar quente. De repente, vêm-se perdidos um desfiladeiro. Um dos três homens diz: Tenho um idéia. Nós podemos gritar por ajuda no desfiladeiro e o eco levará as nossas vozes para longe.

Para tal, inclina-se no cesto do balão e grita bem alto: "Olllááá!!! Onde nós estamos? (Eles ouvem o eco várias vezes.)

Passam 15 minutos.
É então que ouvem o eco de uma voz: "Olllááá! Estão perdidos!"

Um dos homens diz: quem falou foi um estatístico.
Confuso, um dos outros homens pergunta: "Porque dizes isso?"
Ele responde:

Por três razões:
(1) demorou muito tempo a responder;
(2) estava absolutamente correto;
(3) a sua resposta foi absolutamente inútil.

(Será que caracteriza, realmente, um bom estatístico? Esta pontinha de humor já circula há algum tempo).

(fonte)


Eu achei de mau gosto.... mas fazer o quê, piada é piada!!!

As pílulas

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Uma qualquer sociedade descobriu como criar pílulas contendo conhecimento básico, concentrado na sua fórmula.

Um estudante, necessitando de alguns conhecimentos vai a uma farmácia e pergunta que tipo de conhecimento se encontra disponível.

O farmacêutico diz: "Aqui está uma pílula para Literatura Inglesa."

O estudante agarra na pílula, engole-a e fica a saber tudo sobre Literatura Inglesa. O que tem mais?" pergunta o estudante.

"Bem, tenho pílulas para História da Arte, Biologia e História Mundial." responde o farmacêutico. O estudante pede-lhe estas pílulas, toma-as e adquire todo o conhecimento nestas áreas!

"Tem pílulas para Estatística ?" inquere o estudante.

O farmacêutico: "Espere um momento."...dirige-se ao armazém e traz uma pílula enorme e coloca-a no balcão.

“Tenho que tomar essa enorme pílula para Estatística?" pergunta o estudante.

O farmacêutico abana afirmativamente a cabeça e diz-lhe:"Bem, você sabe que as estatísticas sempre foram um bocadinho difíceis de engolir."


(fonte)

Os cruzamentos

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Havia um professor de Estatística que quando conduzia, acelerava sempre antes de chegar a um cruzamento, passava rapidamente por ele e depois de o passar abrandava.

Um dia, ele levou um passageiro que ficou enervado com a sua maneira de conduzir e perguntou-lhe por que razão ele atravessava tão rapidamente os cruzamentos.

O professor de Estatística respondeu-lhe: "Bem, estatisticamente falando, há mais probabilidade de ter um acidente num cruzamento. Logo, eu apenas quero ter a certeza que passo o menor tempo possível num".

(fonte)

O Físico, o Biólogo e o Estatístico

domingo, 4 de novembro de 2007

Um físico, um biólogo e um estatístico vêm duas pessoas a entrar numa casa. Passado algum tempo, eles vêm três sair dessa casa.

O físico conclui: "A minha observação inicial deve estar incorrecta."

O biólogo conclui: "É claríssimo...os dois reproduziram-se."

O estatístico conclui: "Bem, se mais ninguém entrar em casa, então não haverá ninguém em casa."

(fonte)

O avião

sábado, 3 de novembro de 2007

Dois estatísticos viajavam num avião de Los Angeles para New York.

Após uma hora de vôo, o piloto anunciou que eles tinham perdido um motor, mas que não se preocupassem pois ainda restavam três. O único problema é que em vez das 5 horas eles demorariam 7 horas até New York.

Um pouco mais tarde, ele voltou a comunicar que um segundo motor tinha falhado mas ainda tinham dois. Levariam 10 horas a aterrar em New York e não teriam problemas.

Passado algum tempo, ouviu-se novamente o voz do piloto no intercomunicador anunciando que o terceiro motor tinha avariado. Sem medo, ele disse que o avião podia voar com apenas um motor. O único problema é que demorariam 18 horas a chegar a New York.
A esta altura, um estatístico vira-se para o outro e diz: "Espero que não se avarie mais nenhum motor ou ficaremos aqui em cima para sempre!"

(fonte)
Essa também foi maldosa!!!

Será o fim do Monstro do Lago Ness???

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Um terço das espécies de peixes da Europa 'está ameaçada'
01 de novembro, 2007 - 20h55 GMT (18h55 Brasília)

Um terço do total das espécies de peixes da Europa está sob ameaça de extinção, apontou um estudo publicado no livro Handbook of European Freshwater Fishes (Guia dos Peixes de Água Doce da Europa).

O trabalho, realizado em parceria com a organização ambiental internacional World Conservation Union (IUCN) indica que 200 das 522 espécies de peixes de água doce do continente (38%) podem desaparecer, e afirma que 12 já estão extintas.

De acordo com uma "lista vermelha" elaborada pela Conservation Union, os peixes europeus estão muito mais ameaçados do que outras espécies, como aves e mamíferos.

A pesquisa aponta que o desenvolvimento econômico e o crescimento da população européia nos últimos 100 anos são as principais ameaças às espécies.

Aquecimento global

As secas de lagos e rios, que têm sido freqüentes durante os meses de verão por causa do aquecimento global, já levaram à extinção de algumas espécies migratórias, aponta o estudo.

"Com 200 espécies ameaçadas de extinção, precisamos agir agora para evitar uma tragédia", afirmou William Darwall, do Programa de Espécies do World Conservation Union.

"Estas espécies são parte importante da nossa herança e importantes para o equilíbrio do ecossistema, do qual dependemos", acrescentou Darwall. "Muitas destas espécies podem ser salvas por meio de medidas relativamente simples."

Além de informações sobre peixes de água doce, o guia apresenta também dados sobre 24 espécies marinhas que são encontradas em água doce.

Entre as espécies mais ameaçadas estão a enguia européia (espécie anguilla anguilla) e o góbio (gobio delyamurei).

A espécie de peixe coregonus oxyrunchus não é mais observada no continente desde 1940 e acredita-se que já está extinta. O peixe era comum na bacia sul do Mar do Norte, mas desapareceu.

Não se sabe a causa exata da extinção, mas biólogos acreditam que poluição e destruição do habitat foram alguns dos fatores.
Com esse aquecimento global acredito que nem o Monstro de Loch Ness vai resistir ficar tanto tempo escondido!!!!

Os gêmeos

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

A mulher de um estatístico deu à luz a gêmeos. Ele ficou encantado.

Telefonou ao sacerdote que também ficou maravilhado com a notícia. "Traga-os no Domingo e iremos batizá-los" disse o sacerdote.

"Não, respondeu o estatístico. "Batizamos um. Guardaremos o outro para controle".

(fonte)