Doce como inseticida!!!

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Apetite de mosquitos pode ser arma anti-malária
22 de setembro, 2006 - 16h41 GMT (13h41 Brasília)

O gosto dos mosquitos por açúcar pode ser o caminho para eliminar a malária e outras doenças transmitidas pelo inseto.


Um grupo de pesquisadores da Hebrew University conseguiu exterminar uma população de um mosquito ao pulverizar acácias com uma solução de inseticida com açúcar.

Ainda que sangue seja o alimento principal da dieta da fêmea do mosquito, os insetos também gostam de se alimentar de néctar de plantas entre as “refeições”.

O estudo foi publicado no International Journal for Parasitology.

A malária é responsável pela morte de cerca de um milhão de pessoas por ano, ficando atrás apenas da tuberculose em impacto na saúde mundial, entre as doenças infecciosas.

A doença é disseminada pelas fêmeas dos mosquitos, que precisam se alimentar de sangue antes de colocar os ovos.


Oásis isolado

O grupo israelense pulverizou as acácias numa região desértica do sul do país, adicionando açúcar ao inseticida Spinosad.

A escolha pelo oásis foi feita porque como havia poucas plantas na área, os mosquitos ficavam sem opções para buscar alimento.

Outra razão é que o local abrigava uma população específica de mosquito, permitindo um monitoramento preciso e com menor risco de mosquitos de regiões vizinhas contaminarem os resultados.

Após a pulverização, praticamente toda a população de mosquitos foi exterminada. Os poucos mosquitos que foram capturados depois da aplicação do inseticida eram insetos novos, que ainda não tinham se tornado ou tinham acabado de se tornar adultos.


Técnica "barata"

O coordenador da pesquisa, Yosef Schlein, disse que o cultivo de árvores e plantas que atraiam os mosquitos em ambientes adequados, combinado com a pulverização através da solução inseticida, pode se constituir numa maneira barata e simples de combater a malária.

De acordo com Schlein, a técnica tem um potencial particularmente alto em áreas de limitado crescimento para as plantas, como regiões desérticas e savanas, especialmente na África subsaariana, onde a doença é um problema sério.


MALÁRIA
300 milhões de casos por ano
1 milhão de mortes anualmente
Uma criança morre de malária a cada 30 segundos no planeta
A África é a região mais castigada do mundo


A técnica também poderia vir a ser usada em áreas que tenham uma maior variedade de flores, uma vez que os mosquitos se alimentam em um número restrito de espécies.

O inseticida oral Spinosad é um produto de baixo impacto ambiental, tendo pequeno efeito em outros insetos, aves e mamíferos.

Pierre Guillet, da Organização Mundial de Saúde (OMS), afirmou que qualquer estratégia de combate ou de redução da vida da fêmea do mosquito é, potencialmente, um modo de controlar a malária, mas fez a ressalva de que ainda é preciso realizar a experiência mais vezes.

No Brasil os Estados com maior risco da doença são: Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Caso queira saber um pouco mais sobre a malária, clique aqui.




0 Observações: