Mulher no volante...

domingo, 3 de junho de 2007

Falta de hormônio prejudica mulher ao volante, diz estudo


Algumas mulheres podem ter dificuldades para estacionar o carro ou para entender mapas porque estiveram expostas a baixos índices de testosterona no útero da mãe, afirma um novo estudo.

A pesquisa, publicada na revista acadêmica Intelligence, alimenta o mito masculino de que as mulheres são um "perigo ao volante".

Os cientistas da Universidade de Giessen, na Alemanha, descobriram que a ausência do hormônio afeta a noção de espaço das pessoas.

O estudo avaliou as habilidades espaciais, numéricas e verbais de 40 estudantes voluntários.


Dedos

Nos testes espaciais, os homens tiveram em média notas maiores que as mulheres.

Os pesquisadores também mediram o tamanho dos dedos anelares e indicadores das voluntárias. Nas mulheres, esses dois dedos costumam ter praticamente o mesmo comprimento, medidos a partir da dobra perto da palma da mão. Já nos homens, o anelar tende a ser bem maior.

Baixos índices de testosterona também acabam resultando em dedos anelares menores.

As mulheres que tinham o tamanho dos dedos semelhantes ao padrão masculino se saíram melhor nos testes espaciais que aquelas com dedos anelares menores.

No artigo da Intelligence, os pesquisadores admitiram, porém, que os resultados do estudo são limitados porque eles só coletaram uma amostra de hormônios de cada pessoa e não levaram em consideração o ciclo menstrual das mulheres, que afeta o equilíbrio hormonal.

Outros estudos tendo como indicadores o tamanho dos dedos afirmam que longos dedos anelares e mãos simétricas são um sinal de fertilidade nos homens, e que as mulheres têm chances de ser mais férteis quando possuem indicadores compridos.


Agora tá explicado!!! Vou imprimir essa pesquisa e guardar no carro para os engraçadinhos que não podem ver uma mulher estacionando sem tirar um sarrinho!!! Dedos anelares compridos em mulheres também indicam que elas tem mais facilidade e sucesso na prática de esportes. Leia mais em: Mãos Femininas

0 Observações: