Um pouco sobre a Selic...

sábado, 31 de março de 2007

Juros bancários ficaram inalterados apesar de corte da Selic
Folha Online - Dinheiro - 09/03/2007 - 14h36


“A Fundação Procon-SP verificou que, apesar da redução da taxa básica de juros em janeiro, até o início de março, os bancos não haviam mexido nos juros cobrados em suas linhas de crédito ao consumidor. A pesquisa com dez instituições financeiras foi realizada no dia 1º de março, antes portanto, da reunião deste mês, que estabeleceu novo corte de 0,25 ponto e trouxe a taxa Selic para 12,75%.

Foram pesquisados os bancos: HSBC, Santander Banespa, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Safra, Nossa Caixa, Real e Unibanco. O órgão alertou que a comparação com o levantamento anterior ficou prejudicado pela inclusão do Safra na pesquisa, após a unificação de Santander e Banespa.

Segundo o levantamento do Procon, a taxa média de empréstimo pessoal subiu de 5,37% ao mês para 5,38% entre fevereiro e março. Na pesquisa do órgão, somente o HSBC mexeu em sua taxa de juros, que caiu de 4,67% ao mês para 4,66% entre os dois meses.

Nas linhas de crédito do tipo cheque especial, a taxa média foi de 8,24% ao mês ante 8,15% em fevereiro. O Procon-SP registrou que os bancos mantiveram os juros praticados no cheque especial entre os dois meses. O órgão também ressaltou que a elevação vista nas duas linhas de crédito deveu-se à inclusão do Safra na amostra.”


Raras são às vezes em que os jornalistas podem escrevem para todos entenderem, não por não desejarem ou por não se importarem, mas por existirem pautas, espaços destinados a matéria e outros procedimentos que fazem parte de uma redação jornalística. O fato que a matéria acima é destina a um público alvo, pessoas ligadas a economia e finanças, que está mais acostumado com a utilização desses termos e siglas.

Resolvi pesquisar um pouco sobre o assunto, principalmente, porque a área financeira utiliza-se muito da estatística para realizar suas previsões. Abaixo compartilho com vocês um pouco sobre a SELIC
.



“- Selic significa Sistema Especial de Liquidação de Custódia;
- Criado pelo Banco Central e pela Associação Nacional das Instituições de Mercado Aberto (Andima) em 1979;
- É um sistema eletrônico que permite a atualização diária das posições das instituições financeiras, além de assegurar maior controle sobre as reservas bancárias;
- O Selic foi a primeira grande parceria público-privada do país. De um lado, o governo administra o sistema e, do outro, os investidores fazem o sistema funcionar, através da Andima;
- O Selic é um parâmetro para os juros pagos pelos bancos nos depósitos a prazo, as instituições financeiras definem, a partir dela, quanto irão cobrar nos empréstimos a empresas e pessoas físicas. Daí a importância das decisões do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC sobre a taxa;
- A elevação da Selic aumenta tudo. Por isso, a melhor forma de comprar é economizar e tentar comprar à vista.”


Acho que já deu para clarear e entender a importância dessa taxa que mexe diretamente nossos bolsos. Caso você deseje ler o texto completo é só clicar aqui.

Páscoa lembra chocolate (07)

sexta-feira, 30 de março de 2007

Chocolate na gravidez pode gerar bebês mais felizes, diz estudo
07 de abril, 2004 - 17h36 GMT (13h36 Brasília)


"Cientistas na Finlândia afirmaram que consumir chocolate durante a gravidez pode resultar em bebês mais felizes. A equipe fez a pesquisa com 300 mulheres antes e depois do parto de cada uma e descobriram que aquelas que comeram chocolate diariamente tinham mais probabilidade de afirmar que seus bebês eram mais felizes.

Segundo um relatório publicado na revista New Scientist, os cientistas acreditam que elementos químicos que alteram o humor presentes no chocolate podem ser os responsáveis.

Katri Raikkonen e seus colegas na Universidade de Helsinki questionaram cada uma das mulheres durante a gravidez sobre seus níveis de estresse e a quantidade de chocolate consumida.

As mulheres passaram por um novo questionário seis meses depois de darem à luz. Desta vez elas foram perguntadas sobre o comportamento de seus filhos.

Os cientistas descobriram que as mulheres que comeram chocolate regularmente durante a gravidez falavam que seus filhos sorriam mais, eram mais alegres e ativos.

Segundo os cientistas, mulheres estressadas que consumiam chocolate afirmavam que seus filhos eram menos medrosos frente a situações novas, o que não ocorria com mulheres estressadas que não consumiram chocolate.

Calorias

Os cientistas afirmam que, apesar de não descartarem outros fatores, eles acreditam que esses resultados possam estar ligados ao consumo de chocolate.

Eles afirmam que os elementos químicos do chocolate podem ser passados das mães para os bebês ainda no ventre.

Nigel Denby, da Associação Dietética Britânica, não acredita na possibilidade.

"Chocolate pode estimular a liberação de serotonina, o hormônio que gera bem-estar. Mas é improvável que esse hormônio vá atravessar a placenta e afetar o bebê", disse.

Ele também alerta para as mães que queiram consumir mais chocolate nesta Páscoa.

"As mulheres devem aumentar de peso de acordo com as recomendações normais durante a gravidez. Chocolate tem muitas calorias e comer demais pode levar a um aumento de peso indesejável", afirmou."


Portanto mamães de plantão, nada de exageros, nem na Páscoa nem em outros dias. Antes de sair por ai comendo chocolate, procure seu médico e veja se sua dieta aceita essa amável caloria. Só assim você ficará bem e seu bebê também!!!

Olha o Picolé!!! Quem vai querer???

quinta-feira, 29 de março de 2007

Picolés têm açúcar demais
01.03.2007

“Testamos os sabores chocolate e limão de cinco marcas. Um problema foi unânime: todos possuem grande quantidade de açúcares.

O verão está terminando, mas o calor, não. E um dos alimentos preferidos para se deliciar em dias muito quentes é o picolé. Para ver a qualidade dos produtos oferecidos no mercado, a PRO TESTE resolveu testar cinco marcas (Kibon, La Basque, Nestlé, Sorvete Brasil e Sorvete Itália) dos dois sabores de picolé mais vendidos, o de chocolate (à base de leite) e o de limão (à base de água). Como era de se esperar, a degustação foi um dos destaques. Problema mesmo foi o excesso de açúcar. Por isso, o ideal é consumir os sorvetes sempre com moderação.

No final, entre os picolés de chocolate, o Chicabon da Kibon foi o que mais se destacou, unificando os títulos de o melhor do teste e a escolha certa. O picolé da Nestlé, caso encontrado em preço mais baixo, também seria uma boa opção. Já entre os picolés de limão, o Fruttare Limão (também da Kibon) foi o melhor do teste, porém, o La Frutta Limão da Nestlé foi a escolha certa, pois, além de ter uma qualidade muito semelhante, teve um preço médio mais baixo.”




Ao pessoal que adora sorvete é bom lembrar que tudo em excesso faz mal. Mais um picolé no final de semana, enquanto você está andando pelo parque, com certeza, não vai fazer mal. O artigo completo pode ser acessado pelos assinantes da revista.





Dor mesmo só no bolso!!!

quarta-feira, 28 de março de 2007

Pesquisa apura aumento de até 49,44% nos remédios apesar de controle no preço
Toni Sciarretta Editor do FolhaNews - 13/03/2007 - 10h40


"Apesar do monitoramento de preços feito pelo governo, cerca de 400 medicamentos tiveram aumentos de até 49,44% no último ano, revela uma pesquisa do Idum (Instituto Brasileiro de Defesa dos Usuários de Medicamentos) obtida pela Folha Online.

O reajuste dos remédios aconteceu mesmo após o aumento concedido pelo governo em 2006. Como os preços são controlados, os laboratórios que aumentaram os medicamentos podem ser multados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Procurada, a agência ainda não se pronunciou sobre a pesquisa do Idum.
Os remédios terão novo reajuste no próximo dia 31 de março.

Segundo a pesquisa, o remédio monitorado que teve o maior aumento foi o Cloridrato de Sertralina do laboratório Medley, um ansiolítico, também utilizado no tratamento do TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo), que subiu 49,44%. O remédio custava em média R$ 55, em abril do ano passado, mas foi encontrado a R$ 82,19 em março deste ano.

O segundo medicamento que teve o maior reajuste foi o antibacteriano Azitromicil, da Greenpharma, que custava R$ 13,85 em abril de 2006 e agora chega a ser vendido a R$ 19,43 --aumento de 40,29%.

O antiinflamatório Flanax, da Bayer, utilizado no alívio de dores musculares e também no tratamento de asma, foi reajustado em 11% e o antiparasitário Mebendazol (Medley) teve aumento de 11,03%.


Aspirina

A pesquisa também constatou aumentos acima da inflação nos remédios não-controlados pelo governo, mas muito consumidos no país, como o analgésico Dórico (Sanofi-Aventis), que subiu 50,09%. A Aspirina (Bayer), um dos medicamentos mais populares no Brasil, teve reajuste de 12,40%, enquanto o Melhoral (laboratório DM) subiu 10,01%. A Neosaldina (Altana Pharma) teve reajuste de 8,13%.

Em março do ano passado, o governo autorizou três faixas de aumentos --até 5,51%, 4,51% e 3,64%, variando de acordo com a competição com genéricos nas vendas.
O reajuste deste ano também será dividido em três categorias --3,02%, 2,01% e 1%.

O grupo de remédios em que os genéricos têm participação de mercado de mais de 20% sofrerá o reajuste máximo, de 3,02%. Aquele em que a participação está entre 15% e 20%, o aumento será de 2,01%. Para o grupo de medicamentos que tem uma participação de genéricos abaixo de 15%, o reajuste será de 1%.




Por essa pesquisa ser divulgada de forma “anual” acabamos não sentindo tanto os aumentos de preços durante o período e nos surpreendemos quando temos sua divulgação. Isso não ocorre apenas com os remédios, mas sim com todos os bens de consumo.

Pesquisas geram custos e necessitam de tempo para uma elaboração, aplicação e análises eficientes. Dessa forma ao invés de acompanharmos mês-a-mês a evolução e evitarmos reajustes absurdos, temos que nos sentar e assistir que eles aumentaram os preços como desejaram correndo o risco apenas de serem multados pela Anvisa.

Esta na hora do cidadão solicitar mais pesquisas junto ao governo, principalmente, dos itens que influenciam diretamente o seu bolso.

E ainda tem gente que comemora...

terça-feira, 27 de março de 2007

Multinacionais americanas lucram mais no Brasil
Fernando Canzian da Folha de S.Paulo - 09/03/2007 - 10h09


Após vários anos de apreensão e amargando resultados insatisfatórios, as maiores empresas norte-americanas operando no Brasil estão otimistas.

Coincidindo com a viagem ao país do presidente dos EUA, George W. Bush, a maioria delas prevê crescimento 'forte' em seus negócios em 2007.

Esperam ainda 'moderada' expansão do PIB (Produto Interno Bruto) neste ano e 'forte' crescimento em 2008 e 2009.

Das 500 maiores empresas americanas listadas pela revista 'Fortune', 193 (37%) têm negócios no Brasil. Pesquisa realizada entre elas e obtida pela Folha mostra que 57% esperam 'forte crescimento' em seus negócios neste ano.

A elevada carga tributária e os problemas regulatórios continuam no topo das preocupações das companhias. Mas os resultados dos balanços mostram avanços significativos em relação aos últimos anos.

A pesquisa, do Conselho Empresarial Brasil-EUA da Câmara de Comércio dos EUA, sediado em Washington, é a terceira do tipo. Nas anteriores, o otimismo era bem menor.


8 anos no vermelho

O resultado no Brasil da General Motors, uma das maiores companhias do mundo, é um exemplo de mudança. Pela primeira vez em em oito anos, a GM deu lucro no país no ano passado e espera fechar novamente no azul em 2007.

Os investimentos mais recentes são R$ 500 milhões na fábrica de São Caetano do Sul (SP) e US$ 240 milhões em Gravataí (RS). Nos planos da empresa, novo aporte de US$ 1 bilhão para a produção de veículos a partir de 2009.

'Tivemos muitas dificuldades até 2005, mas um 2006 excepcional, com expectativa de vendas (70% financiadas em até 70 parcelas fixas) batendo recordes daqui em diante', diz José Carlos Pinheiro Neto, vice-presidente da GM --empresa há 82 anos no país.

Outra gigante americana, a Coca-Cola, registra 11 trimestres de crescimento contínuo no país. Ao longo desse período, no pior trimestre a empresa cresceu 7%. No melhor, 15%.

Nos últimos meses, a Coca-Cola engoliu uma série de concorrentes e lançou novos produtos, com investimentos de R$ 3,5 bilhões acumulados nos últimos cinco anos.

'A estabilidade no crescimento brasileiro e o aumento da renda, principalmente entre os mais pobres, têm sido fundamentais para esses resultados', afirma Marco Simões, diretor da Coca-Cola.

'O mais significativo é que o resultado dessas empresas está crescendo hoje acima da média do próprio desempenho da economia brasileira', afirma Mark Smith, diretor para Assuntos do Hemisfério Ocidental da Câmara de Comércio dos Estados Unidos.



Carga tributária

No levantamento, 40% das empresas vêem a elevada carga tributária no país como o maior obstáculo; já 15% consideram a falta de marcos regulatórios mais específicos.

O juro alto, tido como vilão do crescimento por muitos empresários brasileiros, é apontado como problema por apenas 6% dos americanos --atrás dos altos custos trabalhistas (9%).

A gigante farmacêutica Merck Sharp & Dohme diz que o 'problema mais sério' em seu negócio é o marco regulatório brasileiro, que provoca 'gargalos' nas áreas de estudos clínicos e manufatura de medicamentos por causa das patentes.

'Além disso, ainda somos um dos únicos setores com o preço controlado no Brasil', afirma João Sanches, diretor da multinacional americana.

Mesmo assim, Sanches diz que a Merck Sharp & Dohme permanece 'cautelosamente otimista' com o país e mantém planos para dobrar o tamanho do negócio no Brasil ao longo dos próximos cinco anos.”



Esses dados só nos confirmam o que muitos empresários brasileiros já sabem há anos... É muito difícil ser empresário, principalmente, de sucesso no Brasil.

A frase que mais marca isso neste artigo e que me cortou profundamente o coração: “Nos últimos meses, a Coca-Cola engoliu uma série de concorrentes e lançou novos produtos, com investimentos de R$ 3,5 bilhões acumulados nos últimos cinco anos”. Mas como nossos empresários podem competir com a Coca-Cola... e outra coisa, a maioria das multinacionais investe mais em tecnologia precisando cada vez menos de pessoas em suas fábricas. É triste, não?

Pior ainda ter que ver o governo preocupado só com os seus cofres e preferindo financiar programas/bolsas que estimulam a miséria e fazem o povo se acomodar ao invés de incentivar as empresas, auxiliando-as em seu crescimento e estimulando o trabalho pessoal de qualidade.

Páscoa lembra chocolate (06)

segunda-feira, 26 de março de 2007

Chocolate amargo melhora circulação sangüínea, diz estudo
01 de junho, 2004 - 09h12 GMT (06h12 Brasília)


"Pesquisadores da Universidade da Califórnia afirmaram ter descoberto que o chocolate amargo melhora o funcionamento dos vasos sangüíneos. Em artigo publicado no Journal of the American College Nutrition, os cientistas descrevem a experiência, que se concentrou no estudo dos flavonóides, substâncias com propriedades antioxidantes.

"Melhoras na função endotelial, que é a capacidade da artéria em se dilatar, são um indício de uma melhora na saúde vascular e de um menor risco de doenças cardíacas", disse a fisiologista Mary Engler, que liderou o estudo.

O bom funcionamento de veias e artérias ajuda a prevenir enfartes, derrames e outras doenças ligadas à má circulação.

Dilatação

Na experiência realizada na Califórnia, 11 pessoas ingeriram 46 gramas de chocolate amargo, rico em flavonóides por dia, enquanto outras dez comeram a mesma quantidade de chocolate com poucos flavonóides.

No fim do estudo, os pesquisadores usaram ultrassom para medir o quanto os vasos sangüíneos são capazes de relaxar quando o fluxo de sangue aumenta.

No grupo que ingeriu o chocolate rico em flavonóides, a dilatação dos vasos aumentou em 10%, enquanto no outro grupo houve uma queda de 10%.

Apesar dos resultados da pesquisa, cardiologistas britânicos dizem que o chocolate pode ser parte do problema, e não a solução.

A diretora de informação médica da Fundação Britânica para o Coração, Belinda Linden, é cautelosa.

"Estudos anteriores mostraram que os componenetes do cacau podem melhorar a dilatação dos vasos sangüíneos, mas ainda não foi realizado um estudo dos efeitos a longo prazo", disse Linden.

Como já disse outras vezes, tudo que é exagerado faz mal!!! A pesquisa demonstra que podemos comer chocolate amargo todos os dias, mas também reforça que devemos evitar o sedentarismo.

Uma sugestão é ir às compras de Páscoa caminhando, você compra seu chocolate sem culpa e ainda queima umas calorias.

Você acha que estuda muito??? Eles não!!!

domingo, 25 de março de 2007

Pesquisa: crianças chinesas necessitam de mais horas de descanso e lazer
19/03/2007 - 09h52


"Pequim, 19 mar (EFE).- As crianças chinesas, que desde muito pequenas têm suas agendas completas com aulas e atividades extracurriculares, necessitam de mais horas de descanso e lazer, segundo uma pesquisa realizada pelo jornal "China Daily".

Setenta por cento dos entrevistados se mostraram de acordo com a redução do número de horas de aula para que as crianças possam ter mais tempo de descanso e lazer.

Para Qi Zhenjun, diretor de uma escola primária da capital chinesa, o principal problema está no sistema que procura avaliar os estudantes apenas por suas conquistas acadêmicas.

Segundo Qi, será necessário muito tempo para mudar a mentalidade tradicional do povo, que ainda pensa que um bom diploma é o melhor caminho para um bom trabalho.

"Claro que quero que meu filho possa dormir mais, fazer exercícios e se divertir, mas, como diz o ditado popular, se der a seu filho uma infância feliz na China, ele será um adulto fracassado", assinalou uma professora de Pequim.

Nos fins de semana, o filho da professora vai à escola, tem aulas de matemática, inglês e chinês, além de aprender a tocar trompa.

Em 2005, uma enquête nacional revelou que 66% dos estudantes do ensino fundamental e 77% dos de ensino médio não dormiam o suficiente, o que levou algumas cidades a reduzir o número de horas de aula."



E você ainda acha que tem que estudar demais, imagina se tivesse nascido na China!!! O pessoal pega no meu pé dizendo que estudo muito... mas acho que não tanto quanto eles. Agora como fui acostumada a estudar bastante, trabalhar mais ainda e dormir muito pouco... não sei se sinto por saber essa notícia, pois como dizia um amigo: “Gente que fica muito tempo sem ocupar a cabeça em nada, por nada acaba por perdê-la”, ou como diriam no dito popular: “Cabeça vazia, morada do demônio”.

Na verdade acho que isso deveria servir de exemplo, creio que o governo deveria disponibilizar mais atividades para nossas crianças, não só estudos, como lazer. Mas que elas ficassem mais tempo na escola do que nas ruas.

Páscoa lembra chocolate (05)

sábado, 24 de março de 2007

Chocolate escuro 'controla diabetes e pressão alta'
22 de março, 2005 - 16h03 GMT (13h03 Brasília)


“Comer chocolate escuro pode ajudar a controlar diabetes e pressão sangüínea, segundo equipe de pesquisadores da Universidade de L'Alquila, na Itália. O estudo, feito com 15 pessoas, constatou que comer 100 g de chocolate escuro diariamente por 15 dias provocou uma queda de pressão.

A equipe de pesquisadores também constatou melhora na capacidade do corpo de metabolizar açúcar, o que é um problema para os diabéticos.

No entanto, comer a mesma quantidade de chocolate branco não teve qualquer efeito, de acordo com os pesquisadores.

Em artigo publicado no American Journal of Clinical Nutrition,
eles dizem que o antioxidante chamado flavanol é o responsável pelo efeito porque neutraliza substâncias potencialmente danosas às células, conhecidas como radicais livres.

Apesar dos benefícios do chocolate escuro, porém, o pesquisador chefe da equipe, Cláudio Ferri, disse que as pessoas devem ter cuidado com o consumo de chocolate.

"Chocolate escuro contém antioxidantes, mas também muita gordura e muitas calorias", disse.

"As pessoas que querem adicionar chocolate à dieta precisam retirar quantidades equivalentes de calorias, reduzindo outros alimentos, para evitar ganhar peso."

Em artigo na mesma edição do jornal, o nutricionista Cesar Fraga, da Universidade da Califórnia, disse que os resultados ligados à pressão sangüínea parecem ter credibilidade.

Segundo ele, outros alimentos ricos em flavanol, como chá e vinho, têm efeito semelhante sobre a pressão sangüínea.

"A identificação de alimentos saudáveis e a compreensão de como os componentes dos alimentos influenciam a fisiologia vai ajudar a melhorar a saúde da população", acrescentou.

Amanda Vezey, especialista em diabetes no Reino Unido, destacou que o estudo é pequeno, mas mesmo assim, interessante.

"Pessoas com diabetes podem comer chocolate escuro com moderação, como todo mundo", disse.

"No entanto, recomendamos às pessoas com diabetes que tenham uma dieta balanceada, com pouca gordura, pouco sal e açúcar, muitos legumes e frutas, combinado com exercícios regulares para ajudar a controlar a doença.""

Quem vem acompanha o blog sabe que comer 100g de chocolate amargo por dia faz bem. Temos aqui mais uma pesquisa que comprova. Dessa forma aproveite as promoções de Páscoa e faça um estoque de chocolate, você não vai se arrepender!!!

É melhor começar abrir o olho!!!

sexta-feira, 23 de março de 2007

Maioria das empresas que enfrenta concorrência chinesa no Brasil já perdeu mercado, diz CNI
08/03/2007 - 18h06 - Valor Online

“SÃO PAULO - A briga comercial com a concorrência chinesa continua sendo mais forte no ambiente externo. Boa parte das companhias brasileiras, 48%, ainda não concorre com empresas chinesas no mercado doméstico. Já entre as exportadoras, mais da metade (54%) enfrenta a presença do gigante asiático. Mesmo assim, dos 26% de empresários que vivem a disputa com os produtos chineses no Brasil, mais da metade já perdeu espaço nas vendas domésticas para os chineses.

Os números, divulgados hoje, constam de uma sondagem especial realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) junto a 1.581 empresas brasileiras, das quais 214 são de grande porte e as demais são pequenas e médias. Dentre os consultados 27% não responderam à pesquisa.

Conforme o levantamento, do total de empresas que responderam que concorrem diretamente com produtos chineses no mercado local, 45% são empresas de grande porte. Já as pequenas e médias demonstram enfrentar menos pressão. Apenas 23% delas afiram que disputam a demanda doméstico com as companhias chinesas.

De qualquer modo, dentre aquelas que sofrem concorrência, 52% afirmaram que já perderam mercado na disputa com os produtos chineses. Além disso, para 12% desses empresários já prejudicados, a baixa na fatia de mercado local foi "significativa".

Nesse quadro se destaca com mais fragilidade o setor de Vestuário e Têxteis, onde a cada quatro empresas, pelos menos três perderam espaço para os chineses no mercado interno. Também sofrem os segmentos de Equipamentos Hospitalares e de Precisão, além de Calçados."



Podemos supor que uma vez que foi realizada uma pesquisa, os resultados surgiram de análises estatísticas. Temos aqui um problema que só tende a crescer, as nossas industrias perderem espaço dentro do próprio país. Esse é um assunto sério que deveria ser explorado não só pelos empresários brasileiros como por nossos governantes, antes que “mandarim” seja disciplina obrigatória nas escolas.

O outro lado...

quinta-feira, 22 de março de 2007

Quatro anos depois da invasão dos EUA, os iraquianos cada vez mais pessimistas
Internacional - 19/03/2007 - 10h13


"LONDRES, 19 mar (AFP) - Quatro anos depois da invasão do Iraque lançada pelos Estados Unidos, os iraquianos se declaram cada vez mais pessimistas quanto ao futuro e manifestam sua rejeição às forças da coalizão e sua desconfiança em relação ao próprio governo, segundo uma pesquisa encomendada pela BCC e outros três meios de comunicação que foi publicada nesta segunda-feira.

A pesquisa, realizada por ocasião dos quatro anos da guerra no Iraque, reflete que a rejeição à presença das tropas estrangeiras no Iraque aumentou consideravelmente neste período.

Segundo a pesquisa, 78% da população iraquiana é contrária à presença das tropas de ocupação e 69% acham que as forças da coalizão só fizeram piorar a situação.

Passados quatro anos, 51% dos iraquianos entrevistados aceitam que sejam realizados ataques politicamente motivados contra as tropas da coalizão. Esta cifra era de 17% há três anos.

A pesquisa, que reflete um Iraque cada vez mais polarizado entre sunitas e xiitas, não deixa dúvidas sobre o pessimismo dos iraquianos em relação a seu futuro, particularmente dos sunitas, hoje uma minoria excluída do poder.

Mais de 1.450 dias depois da invasão, 90% dos entrevistados se queixam da falta de eletricidade e combustível, enquanto 80% dos entrevistados se mostraram insatisfeitos com a falta de trabalho.

No total, 53% dos iraquianos expressaram sua desconfiança em seu próprio governo e apenas 26% afirmaram sentir-se "muito seguros" em seu próprio bairro, contra 40% há três anos, indica a pesquisa realizada pela empresa americana D3 Systems, que consultou mais de dois mil iraquianos nas 18 províncias do país.

A opinião atual dos iraquianos contrasta com a que tinham em 2005, quando uma grande maioria tinha esperanças no futuro do país, observa a pesquisa, que destaca que o pessimismo é mais marcado no centro do Iraque, incluindo Bagdá, onde se encontra o maior número de sunitas.

A pesquisa revela um país polarizado, apesar de uma maioria dos entrevistados (56%) não considerar que o Iraque esteja em meio a uma guerra civil. No entanto, essa porcentagem é bem menor entre os sunitas do que entre os xiitas.

As diferenças entre as duas comunidades religiosas se refletem particularmente na atitudes em relação à execução do ex-presidente iraquiano Saddam Hussein, cujo suposto arsenal nuclear - nunca encontrado ou comprovado - foi a razão dada por Washington e Londres para invadir o Iraque.

Os sunitas questionam a morte de Saddam, que consideram inapropriada, opinando, além disso, que é improvável que sua execução ajude a causa da reconciliação, enquanto os xiitas opinaram o contrário.

Mas, apesar da crescente polarização no tecido social iraquiano - que muitos consideram irreversível - 94% dos pesquisados expressaram que não querem que as diferenças étnicas e religiosas terminem dividindo o país.

A pesquisa foi divulgada por ocasião de um aniversário que voltou a colocar nas ruas neste fim de semana milhares de manifestantes em dezenas de cidades de todo o mundo.

Em Washington, mais de 50.000 pessoas se manifestaram no sábado para exigir o fim da guerra no Iraque, que já custou a vida de milhares de civis iraquianos e mais de três mil soldados americanos. "



Quatro anos de uma guerra sem argumentos sustentáveis. Espero que os governantes prestem atenção nos resultados apresentados pela pesquisa e que essa guerra chegue ao fim.

Páscoa lembra chocolate (04)

quarta-feira, 21 de março de 2007

Jovens comem para 'curar' desilusão amorosa, diz estudo
Atualizado às: 01 de agosto, 2005 - 11h45 GMT (08h45 Brasília)

"Uma pesquisa na Grã-Bretanha indica que um em cada três jovens de entre 15 e 24 anos recorre à junk food - alimentos considerados ruins, de alto teor calórico -, como consolo para problemas na vida amorosa. O Priory Group, organização que trata de pessoas com problemas de alimentação, entrevistou mil pessoas e descobriu que as pessoas nessa faixa etária são aquelas que comem pior.

Mais de 60% desses jovens disseram comer chocolate para aliviar a desilusão com relacionamentos. Outros 43% disseram ter visitado mais as redes de fast-food ao enfrentar esse tipo de problema.

"Esses jovens adultos, que vão criar a próxima geração, passarão seus hábitos alimentares às suas crianças", disse Peter Rowan, psiquiatra que presta consultoria ao Priory Group.

"Se as atuais tendências continuarem, o comportamento alimentar estará cada vez mais distanciado de um padrão saudável, e o número de jovens com problemas alimentares continuará a aumentar."

Distúrbios

Quase 1,1 milhão de britânicos foram diagnosticados com algum tipo de distúrbio alimentar, mas se acredita que esse número seja bem maior.

Nas estimativas do Priory Group, cerca de 11 milhões de pessoas na Grã-Bretanha (de uma população de 60 milhões) têm algum tipo de problema com alimentação.

O estudo mostra que 52% dos adultos recorrem ao chocolate quando se sentem deprimidos.

A pesquisa reflete também a diminuição da auto-estima daqueles que ganham peso ao buscar consolo no mundo da junk food.

Cerca de 63% dos entrevistados disseram se sentir menos atraentes ao estar acima do peso ideal, enquanto 74% afirmam estar melhor com eles mesmos quando adotam uma alimentação saudável.

"Essas pessoas estão desesperadas para preencher o vácuo criado pela solidão, baixa auto-estima, depressão e insegurança", disse Rowan. "Você pode descrevê-los como 'famintos por amor'."


Esse é um problema sério e que ocorre no mundo inteiro... Mas não vá estragar sua Páscoa por isso!!! Creio que a solução é nos policiarmos e policiarmos os amigos próximos alertando-os quando acharmos que a "comilança" não está sendo saudável...

Nenhuma pessoa merece suas lágrimas e se merecer com certeza não vai quer vê-las cair... Dessa mesma forma ninguém merece que você não se alimente saudavelmente... É como beber veneno e esperar que o outro morra!!!

Quem fere quem?

terça-feira, 20 de março de 2007

25% dos soldados americanos voltam do Iraque com problemas psíquicos
Últimas Notícias - 12/03/2007 - 17h52


"Por Mira Oberman CHICAGO, Estados Unidos, 12 mar (AFP) - Um em cada quatro soldados americanos sob cuidado dos sistemas de saúde estatais depois de sua volta do Iraque e do Afeganistão apresenta problemas de ordem psicológica, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira nos Estados Unidos.

Se entre os problemas psicológicos forem incluídos, por exemplo, os casos de violência doméstica, a cifra de ex-combatentes com problemas mentais sobe para 31%.

O estudo, publicado no Archives of Internal Medicine do Journal of the American Medical Association (JAMA), estabelece que mais da metade (56%) dos soldados também apresenta mais de uma doença mental.

As enfermidades psíquicas entre os soldados que retornaram recentemente aos Estados Unidos ou os integrantes da Guarda Nacional são mais numerosas do que as de um estudo publicado há um ano e realizado com militares na ativa, informou à AFP Karen Seal, do Centro Médico de ex-combatentes de San Francisco e chefe da pesquisa.

Somente 12% deles foram diagnosticados anteriormente com transtorno psíquico ou com problemas psico-sociais.

A nova pesquisa, realizada por cientistas da Universidade da Califórnia, estudou os casos de 103.788 soldados atendidos pelo sistema de cuidados de Veteranos de Guerra, financiado pelo Governo, entre 30 de setembro de 2001 e 30 de setembro de 2005. Mais da metade deles tinha menos de 30 anos.

O trabalho estabelece que os militares que correm mais riscos se encontram entre os 18 e 24 anos, mas que as enfermidades psíquicas são freqüentes em todas as categorias.

Os transtornos de estresse pós-traumático são os mais freqüentemente diagnosticados (13% dos soldados), seguidos por ansiedade (6%), depressão e abuso de entorpecentes (5%).

Este estudo é divulgado alguns dias depois de o presidente Bush ter desejado um "exame completo da queixas" dos soldados feridos em combate, depois de um escândalo sobre o tratamento dos militares no Walter Reed Army Medical Center, em Washington.

Com mais de 860.000 queixas médicas e uma espera de mais de um ano para obter um tratamento, vários soldados que retornaram aos Estados Unidos não recebem a ajuda que necessitam, inclusive para problemas psiquiátricos, indicou Joe Davis, um porta-voz do Veterans of Foreign Wars.

O diagnóstico precoce e o tratamento são cruciais caso se pretenda prevenir os problemas mentais "que ameaçam tornar a guerra aos Estados Unidos um fardo para a saúde de cada um e da coletividade", estimam os autores deste estudo.

29% dos ex-combatentes tiveram acesso às estruturas de cuidados governamentais, segundo o estudo.

Esses resultados também mostram "a necessidade de melhorar a prevenção dos problemas mentais ligados à função militar, em particular entre os mais jovens", acrescentaram eles.

Esses americanos!!! Acharam que a guerra se resume aos filmes que vêem!!! As conseqüências a gente está vendo ai. E mesmo vendo todas essas conseqüências, o governo americano continua insistindo nessa guerra, incentivando mais jovens a participar...

Mas aqui não um espaço para eu discutir o que acho certo ou errado, o mais importante para mim nesse artigo é a utilização da estatística para sustentação das afirmações mencionadas. Caso deseje ler o original completo desse artigo em pdf é necessário se cadastrar e contribuir... Mas o abstract é free!!!

Páscoa lembra chocolate (03)

segunda-feira, 19 de março de 2007

Cacau reduz risco de doença cardíaca, diz pesquisa
Atualizado em 28-02-06


"Cientistas holandeses descobriram novas evidências de que o cacau faz bem ao coração. A pesquisa dos cientistas do Instituto Nacional de Saúde Pública e Meio Ambiente de Bilthoven, na Holanda, começou em 1985 e avaliou 470 homens de idade entre 65 e 84 anos.

Durante a pesquisa, 314 homens morreram, 152 deles devido a doenças cardíacas.

Os homens no grupo dos que consumiam muito cacau tinham metade das possibilidades de morrer de doenças do coração.

'Desculpa'

Especialistas britânicos alertam, porém, que a pesquisa não é uma desculpa para sair devorando chocolate.

Na pesquisa dos cientistas holandeses, o risco continuou baixo mesmo quando outros fatores como peso, fumo, níveis de atividade física, ingestão calórica e consumo de álcool foram levados em consideração.

A equipe de cientistas acredita que a redução do risco de doenças cardíacas pode estar ligada ao fato de que o cacau é rico em antioxidantes.

Essas substâncias conseguem limitar os danos aos tecidos provocados pelos químicos altamente reativos conhecidos como radicais livres, liberados nos processos de produção de energia do corpo.

Segundo Cathy Ross, porta-voz da British Heart Foundation,
existem evidências de que comer chocolate em pequenas quantidades pode ter efeitos benéficos nos vasos sangüíneos e na redução da pressão arterial.

No entanto, diz ela, o consumo de cacau mais freqüentemente é parte do problema e, não, da solução.

"O cacau é raramente tolerável em grandes quantidades quando cru e, portanto, para consumir a quantidade terapêutica sugerida, seria preciso consumir 100g de chocolate amargo por dia", afirma Ross.

"Isso significaria uma ingestão média de 500 calorias por 100g e uma média de 30% de gordura. Comer menos não produz o mesmo efeito."

"Certamente não estamos sugerindo que as pessoas nunca comam chocolate, todo mundo pode se dar um prazer de vez em quando", disse a porta-voz. "Mas há maneiras muito melhores de melhorar a saúde do coração."

Oba!!! Adorei essa pesquisa... só em pensar que posso comer 100g de chocolate amargo (meu predileto) por dia sem culpa e ainda estar cuidando do meu coração e eliminando radicais livres. Vou aproveitar hoje mesmo as ofertas de Páscoa e reforçar meu estoque.

Por mim poderia ser amanhã!!!

domingo, 18 de março de 2007

Quase 60% dos americanos apóiam saída do Iraque até 2008
Com Associated Press - Folha Online - 13/03/2007 - 12h43


Quase seis em cada dez americanos querem as tropas americanas fora do Iraque imediatamente ou dentro de um ano, de acordo com pesquisa divulgada pela rede de TV americana CNN nesta terça-feira.

Apesar de o apoio à decisão do presidente americano, George W. Bush, de enviar mais tropas ao Iraque ter crescido para 37% --contra 32% em janeiro--, uma estreita maioria de 52% afirma que o Congresso deveria bloquear o fundo para isso.

De acordo com a pesquisa, a maioria dos americanos apóia uma retirada das tropas do Iraque, com 21% querendo que isso seja feito imediatamente e 37% dizendo que os militares deveriam retornar para casa dentro de um ano. Outros 39% opinaram que os soldados devem permanecer no Iraque enquanto for necessário.


Lauren Frayer/AP

Soldados dos EUA descansam após chegada a base em Baquba; americanos querem retirada
A pesquisa da CNN foi realizada de sexta-feira (9) a domingo (11) pela Opinion Research Corp., com 1.027 adultos. A margem de erro é de três pontos percentuais para cima e para baixo.

Bush anunciou em janeiro que enviaria mais 21.500 soldados para o Iraque para enfrentar a guerra sectária e os rebeldes sunitas.

A Casa Branca aprovou a ida de outros 4.400 soldados no último final de semana, devido ao aumento esperado do número de prisioneiros.

A decisão é impopular, de acordo com a última pesquisa, embora a oposição tenha declinado. O estudo desta semana revelou que 59% dos entrevistados se opõem ao plano do presidente, contra 66% em janeiro. Já o apoio à decisão de Bush de enviar mais tropas ao Iraque aumentou para 37%, contra 32% em janeiro.

Uma estreita maioria de 52% diz que o Congresso deveria bloquear os fundos para isso. Para 43%, porém, o Congresso não deveria fazer isso.


Divisão democrata

A liderança democrata no Congresso, com o apoio de alguns republicanos, se opõe ao envio de mais tropas. Mas os esforços para usar o controle congressional sobre os gastos militares do presidente provocou uma divisão entre os democratas.

Líderes democratas querem incluir a exigência da retirada das tropas até o segundo semestre de 2008 à solicitação emergencial de Bush por mais US$ 100 bilhões em gastos de guerra. Caso o presidente americano não prove que o governo do Iraque está realizando progressos, a retirada seria feita até o final deste ano.

Em discurso ao Comitê Israelo-Americano de Assuntos Públicos, nesta segunda-feira, o vice-presidente Dick Cheney disse que até mesmo a discussão sobre uma retirada diz aos inimigos que eles devem olhar o relógio e esperar a saída americana.

A porta-voz da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, respondeu que Cheney e Bush estão pedindo um "compromisso aberto" às tropas americanas, contra o conselho de líderes militares.

A Casa Branca e republicanos alertaram os líderes democratas contra planos que podem atrapalhar os comandantes americanos no Iraque.

Porém, a pesquisa da CNN revela que os americanos estão mais receptivos à idéia de o Congresso tomar a liderança, com 47% dizendo que o Congresso deveria ser o principal responsável pelas definições das políticas de guerra. Outros 33% afirmaram que o presidente deveria ser o responsável principal por definir o curso da nação."


Fico feliz em ver que a pesquisa realizada demonstrou que os americanos estão atentando para ignorância dessa "guerra".

Vamos às compras!!!

sábado, 17 de março de 2007

Vendas do comércio sobem 1,8% em janeiro, diz IBGE
15/03/2007 - 09h49 - Clarice Spitz da Folha Online, no Rio de Janeiro

"As vendas do comércio varejista do país reverteram o resultado negativo de dezembro e entraram em 2007 em alta, com avanço de 1,8% em janeiro na comparação com o mês anterior (série com ajuste sazonal).

Em relação a janeiro do ano passado, a expansão das vendas chegou a 8,5%. Nos últimos 12 meses, a expansão chega a 6,3%.

O volume de vendas em dezembro foi revisado: de um resultado inicial de queda de 0,5%, o índice foi revisto para uma queda menor, de 0,2%.

Segundo o IBGE, todas as categorias de comércio registraram resultados positivos em janeiro. O principal avanço foi o registrado no setor de móveis e eletrodomésticos, que cresceu 17,5%.

O setor de Hipermercados, Supermercados, Produtos Alimentícios, Bebidas e Fumo, que tem maior peso no índice e é muito sensível à renda, teve expansão de 1,7% em relação a dezembro.

As vendas de combustíveis e lubrificantes tiveram alta de 2,7% em janeiro na comparação com dezembro e as de tecidos, vestuário e calçados cresceram 3,1%.

Em relação a janeiro de 2006, todas as atividades registraram incremento de vendas. Móveis e eletrodomésticos mais uma vez lideraram as vendas, com alta de 24,1%.

A categoria Hipermercados, Supermercados, Produtos Alimentícios, Bebidas e Fumo subiu 4,9%; outros artigos de uso pessoal e domésticos subiram 16,4%; tecidos, vestuário e calçados subiram 6,5%.

Por Estados, as vendas do comércio cresceram em 24 das 27 unidades da federação em relação a janeiro do ano passado. A maior alta (45,6%) ocorreu no Acre, enquanto os resultados mais baixos foram os observados no Piauí e no Mato Grosso, ambos com queda de 0,3%, e no Rio Grande do Norte, com queda de 0,2%. São Paulo teve uma alta de 5,7% e no Rio de Janeiro a alta foi de 7,3%.

Metodologia

A PMC (Pesquisa Mensal de Comércio) é realizada mensalmente pelo IBGE em todo o país. Vale ressaltar que, para mensurar o desempenho do setor, o IBGE apura a receita bruta de revenda das empresas varejistas formais com 20 ou mais pessoas ocupadas. Ao todo, são 9 mil informantes em todo o país."



Bom, nem preciso afirmar que o IBGE utiliza estatística em suas análises. Interessante saber que as vendas estão aumentando e que o mercado está se aquecendo. Provavelmente, se esse crescimento permanecer, teremos uma boa venda de ovos de páscoa e chocolates em geral.

Apenas fiquei com uma dúvida nesse artigo: Será que a minissérie Amazônia influenciou e/ou está influenciando as vendas no Acre?

Páscoa lembra chocolate (02)

sexta-feira, 16 de março de 2007

Pesquisa mostra porque alguns não resistem à comida
Atualizado em 17-05-06

"Cientistas da Unidade de Cérebro e Cognição do Conselho de Pesquisas Médicas do Reino Unido descobriram por que algumas pessoas simplesmente não conseguem resistir à comida.


Com a ajuda da ressonância magnética, os pesquisadores mostraram que os "centros de recompensa" do cérebro de algumas pessoas são particularmente sensíveis à propagandas e embalagens de alimentos.

Aqueles cujos centros são mais estimulados por imagens de alimentos tendem a comer mais e a ser obesos, segundo o estudo publicado na revista especializada Journal of Neuroscience.

Os pesquisadores mostaram fotos de comidas altamente apetitosas, como bolo de chocolate; de comidas consideradas sem-graça, como brócolis cozido; e comidas nojentas, como carne apodrecida, aos voluntários.

Ao mesmo tempo, eles mediram as atividades cerebrais usando um sofisticado equipamento de ressonância magnética.

Depois do teste, os pacientes completaram um questionário que mediu o desejo geral por recompensas ou por atingir objetivos.

Os resultados mostraram que os pacientes cujos questionários demonstravam maior sensibilidade à recompensa, também demonstraram maior atividade no cérebro.


Falsas premissas

O chefe da pesquisa, John Beaver, disse que "estudos anteriores nesta área haviam partido da premissa que o padrão de ativamento do cérebro era semelhante em indivíduos saudáveis".

"Mas as novas descobertas mostram que, mesmo em indivíduos saudáveis, os centros de recompensa do cérebro de algumas pessoas são mais sensíveis a alimentos apetitosos".

"Isso ajuda a explicar porque alguns indivíduos são mais vulneráveis a desenvolver desordens como comer compulsivamente".

"Isto é particularmente pertinente para entender o aumento da prevalência da obesidade, já que as pessoas são constantemente bombardeadas com imagens de comidas apetitosas" em anúncios de TV, máquinas de vender chocolates e salgadinhos, ou embalagens, disse ele.

Segundo Beaver, as conclusões do estudo podem ter implicações mais amplas e ajudar a entender a vulnerabilidade a vários tipos de vícios e comportamentos compulsivos.


Responsabilidade da Indústria

O médico Ian Campbell, especialista em obesidade da Universidade de Nottingham e diretor médico da organização de combate à obesidade Weight Concern, disse que controlar o apetite é notoriamente difícil, e que a maioria das pessoas que fazem dieta regularmente não conseguem controlar a ingestão de comida.

"Esta pesquisa mostra que isso não é explicado simplesmente por falta de força de vontade ou gula. É muito mais complicado", disse ele.

"Uma resposta neurofisiológica involuntária e exagerada às imagens de comidas desejáveis apresentadas nas propagandas torna incrivelmente difícil para algumas dessas pessoas resistirem".

"A mensagem é clara. Enquanto indivíduos têm que assumir a responsabilidade de fazer o melhor para controlar o consumo de comidas ricas em gorduras e açúcares, esta responsabilidade tem que ser dividida por fabricantes de alimentos e agências de publicidade."

"Nós precisamos deixar para trás a posição de simplesmente culpar os pacientes e adotar uma postura de maior entendimento e apoio."


Creio que o "centro de recompensa" do meu cérebro é altamente sensível, só na leitura desse artigo já fiquei com vontade de comer muitas coisas... entre elas chocolate, é claro!!!

Essa pesquisa é muito interessante principalmente no tocante da culpa pela compulsão, algo realmente digno de se refletir. Tenho certeza que agora você irá para as compras de Páscoa sem "peso" na consciência... mas vai com calma... deixa um Ovo de Páscoa para mim!!!

Câncer não é só um signo do zodíaco!!!

quinta-feira, 15 de março de 2007

Grupo de cientistas estrangeiros liga 120 novas mutações a câncer
Ciência - 08/03/2007 - 11h00 - Rafael Garcia da Folha de S.Paulo

“Um mutirão envolvendo 60 cientistas --norte-americanos, europeus e chineses-- revela hoje, de uma vez só, a descoberta de 120 mutações (defeitos no DNA) apontadas como potenciais causadoras de câncer. A lista, feita pela maior varredura genética já realizada num estudo de câncer, amplia o número de "alvos" para pesquisas de drogas contra a doença.

A estratégia usada pelos cientistas foi procurar, em 200 amostras de tumores, as mutações do DNA envolvido na produção de moléculas chamadas quinases, envolvidas na regulação do funcionamento das células. As quinases funcionam como "interruptores" celulares, "ligando" as proteínas para que estas possam participar de reações dentro das células.

Por terem esse papel crucial, essas substâncias já eram foco de outras pesquisas e já haviam até sido implicadas em alguns cânceres. Mas nem os próprios cientistas imaginavam que o estudo delas poderia encontrar tantas mutações importantes.

"Particularmente, para as quinases, eu teria apostado que o número não passaria de algumas dezenas", disse o biólogo molecular Andrew Futreal, do Instituto Sanger, na Inglaterra, um dos líderes da pesquisa.

Passageiros e condutores

Uma das estratégias que permitiram a descoberta foi uma maneira que os cientistas conceberam para diferenciar mutações genéticas "condutoras" ("drivers", em inglês) de mutações "passageiras".

"Chamamos as primeiras de condutoras porque elas fazem as células pararem de se comportar normalmente e as conduzem a um comportamento de células tumorais", disse Michael Stratton, do Sanger, outro coordenador do estudo. As mutações passageiras, por outro lado, não são determinantes na origem da doença, mas vão se acumulando ao longo do desenvolvimento de um câncer.

O problema é que, ao analisar um tumor já formado, é difícil diferenciar "condutoras" de "passageiras". Com uma técnica estatística desenvolvida para o novo trabalho, porém, os cientistas conseguiram separar umas das outras com grande precisão. Um estudo sobre as mutações sai hoje na revista "Nature" (www.nature.com).

Além de oferecer novos alvos, o novo estudo pode ajudar a criar medicamentos mais adequados a cada paciente. "Este trabalho é um passo em direção a um futuro no qual tratamentos específicos serão utilizados para subgrupos de pacientes com câncer", diz Jorge Reis-Filho, especialista em genética do câncer do Centro Breakthrough, de Londres.

Apesar de o trabalho liderado pelo Sanger ter identificado dezenas de mutações relevantes, a maior parte delas ("dezenas de milhares", diz Reis-Filho) ainda é desconhecida.

Outro grupo de pesquisa, também na "Nature", divulgou ontem uma técnica para vasculhar quase todo o genoma de células de um câncer específico e achar mutações-chave."



Temos aqui um estudo muito importante e especial, só que para verificarmos o conteúdo completo da pesquisa realizada pela “Nature” é necessário realizar um pagamento, afinal pesquisar e analisar geram benefícios para a ciência, mas também geram custos para os que desejam ver os caminhos da cura de forma mais clara e específica.

Páscoa lembra chocolate (01)

quarta-feira, 14 de março de 2007

Dieta aumenta desejo por chocolate, diz estudo
Atualizado em 14-02-07


“Uma dieta pode levar mulheres a um círculo vicioso de emoções negativas que, por sua vez, provoca o desejo por alimentos que estas mulheres estão tentando evitar - sendo que a vontade por chocolate é a mais forte de todas - segundo pesquisa da Universidade de Hertfordshire na Grã-Bretanha. A nova pesquisa foi liderada por Karin Pine e pelo professor Ben Fletcher, na Escola de Psicologia da universidade.

O ensaio chamado How Visual Images of Chocolate Affect the Craving and Guilt of Female Dieters ("Como Imagens de Chocolate Afetam o Desejo e a Culpa de Mulheres em Dietas", em tradução livre), será publicado na revista Appetite em março.

"Uma comida-alvo ideal para uma pesquisa como esta é o chocolate, já que este é com freqüência o alvo de uma relação de amor e ódio", disse Pine.

"Enquanto é amado por seu sabor agradável, perfume e textura, o chocolate é, ao mesmo tempo, rejeitado por muitas pessoas por seu conteúdo de açúcar e caloria. Como resultado, algumas pessoas fazem um esforço consciente para restringir o consumo."


Imagens

O estudo descreve como os pesquisadores mostraram a 85 mulheres uma série de imagens atraentes comuns na mídia. As imagens podiam ser de chocolate e produtos não-alimentícios.

Dois terços do grupo estavam em uma dieta ou já tinham feito algum regime; 15% já tinham feito sete dietas ou mais.

Os pesquisadores então pediram às participantes que completassem um questionário - Atitude em Relação ao Chocolate.

Os resultados deste questionário revelaram que mulheres em dieta tinham sentimentos de culpa mais fortes a respeito de chocolate, comparadas às mulheres que não estavam em dieta.


Isto dá apoio à idéia de que mulheres em dieta sofrem mais com a culpa do que as que não estão em dieta. O que, por sua vez, leva a desejos mais fortes pelo alimento em questão.

"Neste estudo, avaliamos o desejo e a culpa e descobrimos que os resultados combinados eram diferentes em duas condições entre mulheres em dieta e as que não estavam, sugerindo que o efeito negativo e a culpa estão intimamente ligados", disse o professor Ben Fletcher.

"Então, a dieta parece fazer diferença na maneira com que as pessoas se sentem em relação à comida e, neste caso particular, em relação ao chocolate."

"Ao invés de ajudar as pessoas a se alimentarem de forma mais saudável e cortar produtos que são ruins para a saúde, o efeito negativo induzido pela dieta parece ter o efeito oposto, pois pode aumentar o desejo justamente pelas comidas que estão tentando evitar", afirmou.


Encontrei muitas pesquisas sobre o chocolate e vou me aproveitar dos motivos dados pela quaresma, pelas promoções de ovos de páscoa e por aquele desejo que a gente tem em saborear um bom chocolate, para informar vocês sobre o bem e o mal que essa delícia pode proporcionar. Fiquem antenados esse blog ficará mais doce por uns dias!!!

Você sabe jogar dardos?

terça-feira, 13 de março de 2007

Jogo de dardos está prestes a desaparecer na Inglaterra
Últimas Notícias - 09/03/2007 - 09h51

“Londres, 9 mar (EFE).- O tradicional jogo de dardos está prestes a desaparecer dos pubs ingleses, dos quais vêm fazendo parte há séculos.

Os investigadores do fenômeno predizem que o jogo, sobre o qual se conta que era praticado assiduamente pelo rei Henrique VIII, acabará desaparecendo.

Segundo uma pesquisa realizada entre mil freqüentadores de pubs, apenas 10% jogaram dardos no ano passado, contra 41% há apenas cinco anos, informa o jornal "The Daily Telegraph".

Além disso, quatro em cada dez jovens de mais de 20 anos disseram nunca ter jogado um só dardo na vida.

Conforme os pubs vão se modernizando e se transformando nos chamados "pubs gastronômicos", as tábuas de dardos vão desaparecendo de suas paredes.

Apenas 53% dos pubs ingleses têm uma tábua para jogar dardos, segundo a casa de apostas virtual Blue Square, que lançou uma campanha para salvar o jogo e se propõe a instalar dez mil novas tábuas até 2017.

Segundo a pesquisa, os jovens que freqüentam os pubs preferem outras coisas como, por exemplo, um cardápio interessante, uma longa carta de vinhos, sofás confortáveis e boa música.

Os dardos não são mais o presente de aniversário preferido das crianças, tendo sido substituídos pelos computadores.

O jogo tem origem medieval e começou a ser praticado com setas recortadas que eram lançadas contra tonéis de vinho vazios, sendo estendido rapidamente a todas as classes sociais.

Diz-se que Henrique VIII era um jogador assíduo, e que Ana Bolena, que depois teria sua cabeça cortada a mando do monarca, lhe presenteou com um elegante jogo de dardos."


Eu não sei jogar dardos, mas vejo um lado positivo nessa matéria os bares que continuarem com as tábuas de dardos podem se transformar em pontos turísticos, afinal trata-se de um jogo medieval.

Agora se você deseja conhecer um pouco mais sobre esse jogo, antes que os resultados das pesquisas se concretizem pode clicar aqui
ou aqui e Boa Diversão!

Será que a vaca vai pro brejo?

segunda-feira, 12 de março de 2007

Vacas causam mais mal ao meio ambiente do que os carros, diz FAO
ROMA, 29 Nov (AFP) - 29/11/2006 - 20h12


“O setor pecuarista é um dos principais responsáveis pelo efeito estufa no mundo e é mais nocivo que o dos transportes, segundo um relatório divulgado nesta quarta-feira pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO). "O setor pecuarista gera mais gases de efeito estufa, os quais ao serem medidos em seu equivalente em dióxido de carbono (CO2) são mais altos que os do setor do transporte", sustenta a entidade da ONU.

A pecuária não só ameaça o meio ambiente, mas também é uma das principais causas da degradação do solo e dos recursos hídricos, acrescenta a organização, cuja sede fica em Roma.

Segundo o relatório da FAO, o esterco é responsável por boa parte das emissões de gases de efeito estufa.

"O setor pecuarista é responsável por 9% do CO2 procedente de atividades humanas, mas produz um percentual muito mais elevado dos gases de efeito estufa mais prejudiciais", acrescenta o relatório.

"Gera 65% do dióxido nitroso de origem humana, que tem 296 vezes o Potencial de Aquecimento Global (GWP, na sigla em inglês) do CO2. A maior parte deste gás procede do esterco", dizem os especialistas.

Para a FAO "é preciso encontrar soluções urgentes".

Para Henning Steinfeld, um dos autores do estudo e chefe da subdireção de Informação Pecuarista e Análise e Política da entidade, a cada ano a humanidade consome mais carne e produtos lácteos, o que acaba afetando gravemente o meio ambiente.

"O custo ambiental por cada unidade de produção pecuária tem que ser reduzido pela metade, apenas para impedir que a situação piore", advertiu o documento.

O setor pecuarista é o meio de subsistência para 1,3 bilhão de pessoas no mundo e supõe 40% da produção agrícola mundial.

Para muitos camponeses pobres dos países em desenvolvimento, o gado também é uma fonte de energia como força de tiro e uma fonte essencial de fertilizante orgânico para as colheitas.”


Como sabem adoro ir atrás de mais informações quando leio um artigo e tenho certeza de que utilizaram Estatística para basearem suas deduções e afirmações. E assim fiz e encontrei o artigo original no FAO em três versões:




Inglês - EspanholItaliano


Abaixo destaco algumas sugestões mencionadas para amenizar o problema:



"- Degradação da terra – Controlar os acessos e remover os obstáculos de mobilidade em pastos comuns. Uso de métodos de conservação do solo e o “silvopastoreo” junto da exclusão controlada do gado em áreas delicadas e pagar por serviços de meio ambiente no uso do solo para o gado limitando sua degradação.

- Atmosfera e clima - Aumentar a eficiência da produção de animais e da agricultura rasteira. Melhorar a dieta dos animais para reduzir a fermentação intestinal e as conseqüentes emissões de metano.
Estabelecer plantas de “biogás” para reciclar o esterco.

- Água - Melhorar a eficiência de sistemas de irrigação. Fazer pagarem o custo total da água e criar impostos para desanimar a concentração da industria pecuária, em grande escala, perto das cidades."



Precisamos nos conscientizar de que o Planeta está pedindo socorro! Ajude a divulgar ações que o beneficiem!

Começe o dia limpando sua mesa!!!

domingo, 11 de março de 2007

Mesas de mulheres têm mais germes que as de homens
Internacional - 22.02.2007


“As mesas de trabalho das mulheres tendem a abrigar mais germes do que as de seus colegas do sexo masculino, segundo sugere uma pesquisa da Universidade do Arizona. A mesma pesquisa observou, porém, que o lugar mais fértil para a proliferação de bactérias são as carteiras dos homens. As informações são do site Bonde News.

Os pesquisadores descobriram ainda que, em média, uma mesa de trabalho abriga 400 vezes mais bactérias do que um assento de vaso sanitário, mas eles dizem que "o tipo de bactéria encontrado nas mesas é menos danoso à saúde".

Os pesquisadores também dizem que "o hábito das mulheres de manter alimentos em suas gavetas poderia explicar por que suas mesas têm mais germes". Além disso, loções e material de maquiagem também ajudariam a atrair bactérias.

O resultado surpreendeu os responsáveis pela pesquisa, encomendada por uma marca de desinfetante americana. "Eu tinha certeza de que os homens teriam mais germes", disse o pesquisador-chefe, Charles Gerba.

Segundo ele, 75% das mulheres pesquisadas mantinham alimentos em sua mesa de trabalho. "Eu fiquei realmente surpreso de ver quanta comida havia na mesa de uma mulher", disse.

A pesquisa tomou amostras de cem escritórios na própria Universidade do Arizona e também nas cidades de Nova York, Los Angeles, São Francisco, Oregon e Washington. Em cada escritório, eles verificaram vários locais: telefone, mesa, mouse do computador, teclado e canetas. Eles também tomaram amostras de objetos pessoais dos funcionários.”


A inspiração pela procura desse estudo completo veio, mais uma vez, do meu site predileto Verdade Absoluta. Eu queria ter encontrado o original desse artigo, pois é um tema muito interessante desenvolvido realmente por um Dr. no assunto. Para quem gosta dessa área (microbiologia) e/ou tem fobia por limpeza sugiro procurar por Charles Gerba no Google, ele tem muitos artigos interessantes, os quais, assim que possível farei questão de publicar aqui.

Por enquanto o que posso dizer é que para fazer suas afirmações ele utilizou estatística (inclusive ele é professor adjunto de bioestatística) e que adorei essa frase onde ele diz achar divertido seu trabalho, comparando-o com uma história de detetive - "It's kind of fun because it's always really like a detective story trying to find out where the germs really are."
Charles Gerba.

Agora em relação ao resultado divulgado neste artigo tenho a dizer, primeiro aos homens:
- fiquei com uma dúvida cruel em relação a afirmativa de que o lugar mais fértil para a proliferação de bactérias são as carteiras dos homens. Está na hora de vocês fazerem uma limpeza e começar jogando aquele monte de papeizinhos que vocês vão juntando na balada... é aqueles com os telefones...

Agora
para as mulheres:
- um lanchinho é bom e recomendado por médicos, mas pela afirmação feita pelo Sr. Gerba, está existindo um certo exagero nesse cuidado... desta forma, não quero escutar, depois, ninguém reclamando que está gorda...

Epilepsia é uma palavra de origem grega

sábado, 10 de março de 2007

Pesquisa realizada na Unicamp cria a escala de estigma na epilepsia
Rosana Lee


“Estimativas da Organização Mundial da Saúde apontam que cerca de 3 milhões de brasileiros tenham epilepsia, mas a maioria deles poderia estar com as crises controladas

Um trabalho de doutorado realizado por uma psicóloga do Departamento de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, procurou dimensionar o tamanho do preconceito em relação às pessoas que tem epilepsia.

A pesquisa começava com a pergunta: Você contrataria uma pessoa que sofre de epilepsia para trabalhar em sua casa?, e foi feita com um total de 1850 entrevistados de várias regiões da cidade de Campinas.

Foram incluídos também pacientes com epilepsia no levantamento, para avaliar como eles mesmos percebem o preconceito que os atinge.

A partir de um questionário com 100 perguntas abertas foi possível criar a escala, que mostra que as mulheres tem maior percepção do estigma do que os homens, conforme declarou a autora do trabalho, a Psicóloga Paula Teixeira Fernandes Boaventura.

Ela afirma que o resultado aponta que o preconceito contra a pessoa com epilepsia é muitas vezes mais estressante e prejudicial do que a própria condição.”


Mais umas daquelas notícias que deixam a gente pela metade. Na busca de complementos encontrei dados relevantes:



“- Quando testemunhamos uma crise, tudo o que devemos fazer é apoiar a cabeça da pessoa para que não se machuque, virar seu rosto de lado para que não aspire a saliva e esperar o fim da crise. O socorro deve ser chamado em raras ocasiões, como por exemplo, quando a crise se prolonga por mais de cinco minutos ou há crises repetidas sem que a pessoa recobre a consciência.

- Escala – A partir de um questionário com cem perguntas abertas – “o que é epilepsia?”, “o que sabe sobre o tratamento?”, “quais as dificuldades que a pessoa com epilepsia enfrenta no dia-a-dia?” – Paula Fernandes chegou a uma “escala de estigma na epilepsia”, com dez perguntas altamente consistentes – e devidamente avalizada por especialistas quanto à sua abrangência para mensuração. Aplicada em 1.850 entrevistados de várias regiões de Campinas, e feitos os cálculos estatísticos, a escala permitiu verificar as diferenças de percepção do estigma conforme o sexo, religião, classe econômica e nível de escolaridade. Como pacientes com epilepsia também foram incluídos no levantamento, pôde-se avaliar como eles próprios percebem o preconceito que os atinge.

- Percebemos que o preconceito está muito próximo ao que se tem da Aids, talvez por causa da impressão equivocada de letalidade e de contágio da epilepsia.

- Terapia – Na opinião de Paula Fernandes, o preconceito contra a pessoa com epilepsia é muitas vezes mais estressante e prejudicial do que a própria condição. Por não encontrar barreiras étnicas, sociais, etárias ou sexuais, a epilepsia é freqüentemente associada com dificuldades psico-sociais. Entre as questões colocadas por pacientes entrevistados na pesquisa em Campinas, sobressaem as dificuldades no mercado de trabalho e nas relações afetivas. “Alguém que admita ter epilepsia dificilmente será contratado e, se trabalha, será demitido na primeira crise. O estigma persegue a pessoa também quando tenta namorar e constituir família. A inserção na sociedade fica muito difícil. Muitos se isolam por vergonha e nem procuram o tratamento adequado”, ressalta a psicóloga.

- Paula Fernandes assiste pacientes com epilepsia no ambulatório da FCM e destaca a importância da terapia em grupo para que eles troquem informações e experiências, com o objetivo de melhorar a auto-estima, autoconfiança e habilidades sociais. “O paciente muitas vezes não se sente querido e se acha incapaz de realizações. Não raro, atribui esta incapacidade às crises epilépticas, quando o estigma, na verdade, é que o incapacita. Quem tem a doença sob controle pode levar uma vida normal. Por um lado, nosso trabalho é capacitá-lo para que se insira na sociedade; por outro, devemos preparar a sociedade para melhor recebê-lo, informando corretamente sobre o que é epilepsia. Não adianta convencer o paciente de que ele é capaz se a sociedade não o aceita.”



Para finalizar esse post que dizer que epilepsia é uma palavra de origem grega que significa “ser invadido” ou “ser possuído”.E fui possuída em meu coração a divulgar esse problema, não só porque mostra a utilização da Estatística, como traz para a realidade um problema social com o qual devemos ser mais sensíveis.

O trabalho de doutorado da psicóloga Paula Teixeira Fernandes Boaventura recebeu o prêmio Young Investigator Award, no 26º Congresso Internacional de Epilepsia, realizado em Paris. Para saber mais clique aqui.


E lembrem-se: estigma é uma marca, um sinal natural do corpo; já o preconceito é um erro!

Hora da sesta!!!

sexta-feira, 9 de março de 2007

Dormir no trabalho aumenta a memória, diz estudo
Sexta, 22 de setembro de 2006, 16h26
Fonte: INVERTIA Empresas

"Um grupo de cientistas americanos publicou um estudo que prova que dormir no trabalho aumenta a produtividade e a criatividade dos funcionários.

Segundo a pesquisa da Universidade de Nova York, citada pelo jornal Daily Mail, dormir durante a jornada de trabalho aumenta a memória, tornando mais fácil que o empregado lembre de informações importantes.

A pesquisa foi divulgada nos Estados Unidos, onde a prática de tirar um cochilo durante o trabalho já provou ser popular entre executivos. Contudo, nem todos os chefes concordam com a idéia de deixar seus funcionários dormirem na empresa.

De acordo com Matthew Tucker, cientista que liderou o estudo, o desconhecimento sobre os benefícios que o cochilo pode ter é a principal causa para a resistência dos chefes em permitir a prática. "O tempo destinado ao cochilo diário foi considerado improdutivo em ambientes que exigem acuidade mental e capacidade de memorização", afirmou. Contudo, ele declara ter provado que essa teoria não é correta. Sua equipe estudou o efeito que o cochilo teve em um grupo de estudantes.

Em um teste feito para avaliar suas habilidades para memorizar fatos, os voluntários tiveram de lembrar de pares de palavras, como "relógio" e "mãos". A habilidade de apreender informações ao mesmo tempo em que faz outras coisas também foi testada.

Alguns dos participantes foram escolhidos para dormir durante cerca de 47 minutos. Outros ficaram lendo revistas e assistindo a filmes. Seis horas depois, todos os estudantes foram avaliados novamente e se descobriu que aqueles que haviam dormido tinham guardado um maior número de informações. A pesquisa foi divulgada na revista New Scientist."

A citação pelo jornal Daily Mail encontra-se como o nome “Sleeping on the job can improve your work” e foi escrito por Fiona Macrae em 21/09/06. Não consegui encontrar o estudo completo do cientista Matthew Tucker, mas consegui uma citação deste estudo na New Scientist em 23/09/06.

Verificando apenas o exposto nos textos encontrados já podemos afirmar que o cientista utilizou a Estatística para analisar os dados de seu estudo. Agradeço ao Verdade Absoluta por ser uma fonte de inspiração. E deixo aqui um recado: dormir é bom e saudável além de ser “um mecanismo importante para a formação da memória”.

Mãos Femininas

quinta-feira, 8 de março de 2007

Comprimento dos dedos pode indicar dom para esporte
28 de setembro, 2006 - 09h52

“O comprimento dos dedos pode ser uma forma simples de saber se uma mulher tem potencial para ser uma tenista do naipe de uma Serena Williams ou uma corredora como Marion Jones, de acordo com uma equipe de pesquisadores do King's College, de Londres. As mulheres que possuem o dedo anular mais longo do que o dedo indicador têm maior probabilidade de ter mais sucesso no esporte.

A proporção entre os dedos já foi relacionada a determinadas características nos homens, como habilidade cognitiva e contagem de espermatozóides. O estudo foi publicado no site British Journal of Sports Medicine.

Gêmeos
Os pesquisadores da Unidade de Pesquisa de Gêmeos do King's College examinaram radiografias de 607 gêmeas entre 25 e 79 anos na Grã-Bretanha. Em cada caso, foi medido o comprimento do anular e do indicador de cada mão. Os voluntários também relataram seu melhor desempenho em uma lista de 12 esportes em um questionário.

Os pesquisadores descobriram que mulheres com anular mais longo tinham uma probabilidade muito maior de estar entre os mais bem sucedidos em todos os esportes da lista apresentada.

Habilidade de correr
Em especial, elas tinham maior probabilidade de sucesso em corrida e esportes como futebol e tênis, que exigem velocidade. O líder da pesquisa, Tim Spector disse: "As razões para este resultado não são claras."

"Estudos anteriores sugeriram que a mudança no comprimento dos dedos se deve a mudanças nos níveis de testosterona no útero, mas nós também descobrimos que o comprimento dos dedos é herdado em 70%, com pequena influência do ambiente no útero." "Isto sugere que os genes são o principal fator e que o comprimento do dedo é uma marca dos seus genes."

A proporção entre os dois dedos é fixada antes do nascimento e permanece constante durante a vida. Como este é o caso, os pesquisadores sugerem que o exame do comprimento do dedo pode ajudar a identificar indivíduos talentosos mais cedo, em um estágio pré-competitivo.

Ainda não foi identificado nenhum gene específico que controla o comprimento do dedo. Especialistas acreditam que é possível que vários genes sejam responsáveis. John Brewer, diretor da Academia de Ciências do Esporte Lucozade, disse: "Sempre se disse que para se ter sucesso no esporte de alto nível é necessária a escolha cuidadosa dos pais, porque características genéticas desempenham um enorme papel."

"Identificar um único indicador fisiológico para mostrar se uma pessoa tem predisposição para esporte de alto nível é, na verdade, o objetivo máximo de programas de identificação de talento."


Mas Brewer disse que é pouco provável que um indicador físico possa prever se uma pessoa tem aptidão para determinado esporte, devido à grande variação das habilidades necessárias para se ter sucesso no extenso leque das categorias esportivas.

Ele também destacou que as autoridades desportivas da Grã-Bretanha estão ansiosas para encorajar participação generalizada no esporte, tanto quanto para promover talento excepcional.”


Este artigo também achei navegando pelo Verdade Absoluta e resolvi ir atrás de mais informações.

O nome do artigo é “The Big Finger: the second to fourth digit ratio is a predictor of sporting ability in women” e foi escrito por S N Paul, B S Kato, J L Hunkin, S Vivekanandan and T D Spector. O artigo integral só pode ser visto por assinantes, mas lendo o abstract podemos ter certeza as afirmações expostas no texto possuem base estatística.

Mas não é porque seu dedo anular não é maior do que o indicador que você vai deixar de fazer exercícios regularmente, cuidar da saúde e alimentação,ok?

Melhor no quê mesmo?

quarta-feira, 7 de março de 2007

DP do Carandiru é o melhor da América Latina
23/02/2007 - Fonte: Agência Estado


"Pesquisa realizada pelo Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESEC), da Universidade Cândido Mendes, no Rio de Janeiro, revelou que dois dos três melhores distritos policiais do Brasil estão em São Paulo. A CESEC representou no País a organização holandesa Altus, responsável pela avaliação das delegacias em âmbito mundial. O 9º Distrito Policial do Carandiru, na zona norte paulistana, ficou em primeiro lugar, seguido pela delegacia carioca de Piedade. O terceiro lugar foi ocupado pelo 20º DP da Água Fria, também na região norte de São Paulo.

O trabalho, denominado Semana de Visitas a Delegacias, ocorreu entre 29 de outubro e 4 novembro do ano passado. Na oportunidade, 1.437 pessoas estiveram em 470 distritos policiais em 104 cidades de 23 países - Alemanha, África do Sul, Bélgica, Benin, Brasil, Canadá, Chile, Estados Unidos, Gana, Hungria, Índia, Inglaterra, Letônia, Libéria, Malásia, México, Holanda, Niger, Nigéria, Peru, Rússia, Coréia do Sul e Sri Lanka.

A Altus, que congrega instituições de cinco continentes, entre elas o CESEC, realiza projetos mundiais nas áreas de segurança pública e justiça criminal. No Brasil, a entidade carioca estabeleceu parcerias com ONGs de outros Estados para realizar o evento. Os 175 avaliadores brasileiros visitaram 109 delegacias nas regiões metropolitanas de seis capitais. Além de São Paulo e Rio, estiveram em Belo Horizonte, Recife, Brasília e Porto Alegre.

A premiação para as três melhores delegacias do Brasil, bem como às três de cada Estado, ocorreu na Universidade Cândido Mendes, no Rio. O 9º Distrito Policial do Carandiru, primeiro avaliado também em toda a América Latina, será homenageado em cerimônia a se realizar em Haia, na Holanda, no próximo dia 5 de abril."


Este é o tipo de divulgação Estatística que eu não aprecio! Por quê? Porque ao lermos a matérias entendemos que o “DP do Carandiru é o melhor da América Latina”, mas não sabemos “claramente” no que ele é melhor!!! Seria na estrutura, no atendimento, na localização, em tudo isso... seria no quê? Visto essa dúvida resolvi buscar mais informações.

Visitando o site do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania descobri os quesitos avaliados: orientação à comunidade; condições materiais; tratamento igualitário do público; transparência e prestação de contas; condições de detenção.

Abaixo cito mais alguns itens relevantes:


“- Além de avaliar as delegacias, o evento proporcionou encontros entre policiais e cidadãos em 23 países. Constatou-se, por exemplo, que cerca de 40% dos visitantes brasileiros jamais havia entrado numa delegacia. Em vários lugares do mundo as visitas proporcionaram um conhecimento melhor sobre os serviços oferecidos pelas delegacias e sobre os problemas enfrentados pelos policiais.

- Cento e nove delegacias foram visitadas por 175 pessoas nas regiões metropolitanas de seis capitais: Rio de Janeiro e São Paulo (30 delegacias cada); Belo Horizonte e Recife (15 delegacias cada); Brasília (14 delegacias) e Porto Alegre (5 delegacias). Nos seis estados a Polícia Civil abriu suas portas aos visitantes, numa demonstração de interesse em estabelecer boas relações com o público.”

Creio que agora ficou mais claro! Descobrimos os itens avaliados, quantas pessoas participaram, quantas delegacias foram avaliadas, bem como os estados (mais distrito federal) que participaram. É uma pena que, por vezes, a mídia não se atente a esses detalhes que fazem diferença para a notícia. Para saber as três melhores delegacias de cada região pesquisada clique aqui.


É por isso que eles não entendem as mulheres!!!

terça-feira, 6 de março de 2007

Roupas X Sexo: Pesquisa mostra que mulheres preferem um bom guarda-roupa
07/02/2007 - 19h03 - AFP

"Nova York, 7 fev (EFE) - A maioria das mulheres dos Estados Unidos prefere um armário cheio de roupa ao sexo, segundo uma pesquisa realizada com mulheres de dez das maiores cidades do país.

De acordo com o estudo, realizado pela empresa Unilever, 61% das norte-americanas considera que seria mais traumático perder uma peça de roupa favorita do que ficar sem sexo durante um mês.

A maioria das mulheres deixaria de manter relações sexuais durante quinze meses, se ao final desse período encontrassem um armário repleto de roupa nova. Inclusive, 2% das indagadas assumiriam sem problemas três anos de abstinência se tivessem a mesma recompensa.

Mas o sexo não é o único perdedor nesta batalha: as relações sentimentais, o amor e os homens também aparecem abaixo da roupa na lista de preferências femininas.

A média das indagadas entre os 18 e os 54 anos manteve no armário sua peça de roupa favorita durante doze anos e meio, um ano a mais do que durou sua relação sentimental mais longa.

A maioria das mulheres está convencida, ainda, de que, sim, existe amor à primeira vista; mas só quanto à roupa. O amor instantâneo é real para 70% das perguntadas quando se apaixonam por alguma saia, blusa ou sapatos, enquanto este número cai para 54% quanto a detectar o homem adequado à primeira vista.

Entre o poder do sexo oposto e o da roupa para fazer sentir as mulheres se sentirem bem, também não há lugar para dúvida. Para 48% das mil entrevistadas, um homem não pode lhes transmitir tanta segurança nem lhes fazer sentir tão sexy como sua roupa favorita."


Não consegui encontrar o estudo original no site da Unilever e acho que será difícil achar já que se trata de uma pesquisa encomendada, assim não posso afirmar qual foi o real motivo/objetivo da pesquisa, mas, provavelmente, destinou-se a verificar da possibilidade e/ou aceitação de um novo produto. Mas o que aparentemente soa como apenas mais uma pesquisa do OMO, pode nos revelar outras coisas!!!
Como assim??? A pesquisa mostra dados relevantes para os que trabalham ou tem interessante em trabalhar com moda, fabricação de roupas, sapatos, e, principalmente, para os que pensam/desejam exportar seus produtos. É a Estatística ajudando você visualisar novos nichos de mercado!!! Caso deseje realizar uma Pesquisa de Mercado procure um Estatístico.
Do you understand?
Agora, se o seu problema é consquistar uma mulher... esse artigo também ajuda. Depois daquele jantar romântico leve ela para fazer compras, principalmente, de roupas!!! :-)

Está pensando em ir ao médico?

segunda-feira, 5 de março de 2007

Ginecologia tem maior índice de erro médico, diz estudo
Sexta, 15 de dezembro de 2006, 13h21
Saúde – Redação Terra


“O maior número de processos que tramitam na Justiça por erro médico estão relacionados à área de ginecologia e obstetrícia, conforme mostra um levantamento feito pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp). Do total de 353 decisões de natureza civil analisadas, 18,5% correspondem a casos de erro médico nestas áreas. Na terceira posição relacionada às especialidades com maior índice de erro está a cirurgia plástica, com 13,7%.

Os organizadores do levantamento apontam que, apesar do número de reclamações em relação à ginecologia e obstetrícia ser maior, é preciso lembrar que a freqüência de realização de procedimentos nesta área também é maior.

A pesquisa mostra que grande parte dos problemas que levam a processos judiciais está relacionada a casos aparentemente simples e ao diagnóstico. Por exemplo, um dos casos relatados no estudo se refere à realização desnecessária de cirurgia com suspeita de gravidez ectopia (gerada fora do útero), quando, na verdade, se tratava de cistos no ovário. Em outro caso, a demora do profissional em constatar a necessidade de cesárea no parto acabou resultando, segundo alegou a vítima, na morte do bebê.

O estudo "O médico e a Justiça: um estudo sobre ações judiciais relacionadas ao exercício profissional da Medicina", que será apresentado na tarde de hoje, em São Paulo, engloba decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo, do Superior Tribunal de Justiça e do Supremo Tribunal Federal.


Encontrei essa matéria no meu site predileto, Verdade Absoluta , e resolvi buscar mais informações sobre esse estudo pois foi analisado Estatisticamente. Deixo o convite para a leitura do estudo completo "O Médico e a Justiça" e abaixo exponho os principais pontos apresentados.



“- Foram analisadas 376 decisões que tratam da responsabilidade do médico de indenizar a vítima ou sua família (esfera civil) e de responder à sociedade pelos ilícitos cometidos (esfera criminal).
- Os réus mais freqüentes, no universo analisado de ações, são os médicos (197), seguidos pelos hospitais (173); serviços públicos de saúde (49); operadoras de plano de saúde (42); clínicas (15) e laboratórios (11). Em uma mesma ação podem figurar mais de um réu.
- A alegação de erro médico de acordo com o tipo de atendimento (nas decisões nas quais foi possível identificar esta informação) ocorreu principalmente em relação a atendimentos de urgência/emergência (31,7%) contra 15,6% em situações eletivas e programadas.
- São os seguintes os locais de ocorrência do alegado erro médico, de acordo com as decisões analisadas: centro cirúrgico (30,8%); pronto-socorro (14,4%); sala de parto (5,3%); consultório (1,9%); berçário (0,5%); sala de exame (0,5%); enfermaria (0,2%); sala de pré-parto (0,2%); e outros locais (4,2%). Vale ressaltar que 41,2% das decisões não mencionam o local.
- Do total dos julgados, as lesões, incluindo as permanentes, foram os danos físicos mais recorrentes (45%). A segunda maior conseqüência foi a morte do paciente (24,9%), seguida de outros casos (4,8%), como dores, necessidade de cirurgia corretiva, piora do estado de saúde do paciente e reações adversas a medicamentos. Em 21,8% das decisões não foi mencionado o tipo de dano.
- A maioria dos médicos processados não foi condenada (64,9%), seja pela ausência de comprovação da culpa do profissional ou ausência de comprovação do nexo causal (entre a conduta do médico e o prejuízo relatado pelo paciente ou familiar).
- Na maior parte das decisões analisadas (65,2%) a realização de perícia foi mencionada expressamente. Das ações em que a perícia concluiu pela existência do erro médico, apenas uma não considerou o laudo pericial, com absolvição do réu.
- Dentre as decisões analisadas, cerca de 46% foram favoráveis aos pacientes, condenando os réus (médicos ou outros). A indenização por danos morais foi concedida na maioria das decisões (88,2%). Entre as indenizações fixadas para o mesmo evento – morte do paciente – a menor condenação foi de R$ 11.407,68 e a maior, de R$ 4.405.711,89. A média das indenizações por danos morais em virtude de morte do paciente foi de R$ 203.482,48.
- As condenações por danos materiais representam 82,6% do total das ações favoráveis aos pacientes. A espécie de indenização por danos materiais mais concedida foi o pagamento de pensão à vítima ou à sua família.
- Entre as especialidades médicas mais recorrentes, especificadas nas decisões, constam: ginecologia (18,5%); obstetrícia (18,5%); cirurgia plástica (13,7%); oftalmologia (8%); ortopedia e traumatologia (8%); cirurgia geral (8%); neurocirurgia (5,6%); anestesiologia (5,6%); pediatria (4,8%); otorrinolaringologia (4%); neurologia (4%); urologia (3,2%); clínica médica (3,2%); dentre outras. É preciso ressaltar, no entanto, que a freqüência de realização de procedimentos de ginecologia e obstetrícia também é maior. Há maior número de ginecologistas e obstetras em atividade (se comparados a outros especialistas), em função da grande demanda e das necessidades de saúde da população nesta área. Para estabelecer um “ranking” de especialidades que mais são demandadas judicialmente sob a alegação de erro médico seria necessário um novo estudo considerando a freqüência dos procedimentos e o número de especialistas.
- Quanto à responsabilização penal do médico, na maioria dos casos o profissional não chega a ser condenado por homicídio culposo ou lesão corporal culposa.”

É importante confiar no trabalho desenvolvido pelo médico, uma vez que ele estudou 5 ou mais anos para exercer sua profissão. Mas também é importante: fazer exames periódicos; buscar sempre mais de uma opinião; verificar se realmente há necessidade de fazer uma cirurgia, principalmente as plásticas; buscar conversar com outros pacientes do seu médico, bem como, pesquisar seu trabalho; pois nenhum valor monetário suprirá sua própria falta ou de um ente querido.